Terça-feira, 22 de Julho de 2008

Eu veto


É pena, senhor Presidente da República, que ande tão alheado ultimamente do que se passa no país. Agora, por exemplo, teria tido um bom motivo para dar um ar da sua graça e vetar o famigerado Acordo Ortográfico, com o qual quase ninguém ligado às letras concorda. Alguma razão haverá para isso, não lhe parece? Que tal largar esse dolce fare niente e dar um bocadinho mais de atenção a um assunto que nos toca a todos?

 

Olhe, senhor Presidente: eu não estou de férias. Se o senhor não veta o (des)acordo... veto eu. As consoantes mudas vão continuar a marcar presença em tudo o que eu escrever, em sinal de protesto. Mesmo que seja tão mudo como elas. Talvez um protesto mudo chegue melhor a um surdo... 

 

publicado por Ana Vidal às 10:55
link do post
11 comentários:
De Cristina Ribeiro a 22 de Julho de 2008 às 11:36
Vete-o por mim também,Ana!
De Ana Vidal a 22 de Julho de 2008 às 17:57
Combinado, Cristina.
Eu gostava era de ver um veto geral!
De fugidia a 22 de Julho de 2008 às 19:55

(cá está ele...)
lol
De Ana Vidal a 22 de Julho de 2008 às 23:12
Bem usado, o boneco!
;)
De fugidia a 22 de Julho de 2008 às 23:54

(também achei...)
De Júlia a 22 de Julho de 2008 às 22:19

eu fico tão nervosa com este assunto...


De Ana Vidal a 22 de Julho de 2008 às 23:12
Eu não fico nervosa, Júlia. Fico irritada.
De miguel a 22 de Julho de 2008 às 22:47
O homem pode vetar ou não vetar, mas a culpa disto tudo é do Sócrates!
De Ana Vidal a 22 de Julho de 2008 às 23:11
Diz lá que eu não te dou oportunidade de fazer uma ironiazinha de vez em quando, em defesa da tua dama, hein?

As culpas do Sócrates já têm um longo rol, descansa...
:)
De mike a 22 de Julho de 2008 às 23:48
O Presidente não deverá querer saber do meu veto... mas está certo, porque eu também não quero saber do Acordo para nada. E como já ninguém me chumba, continuarei a escrever como até aqui.
De Ana Vidal a 23 de Julho de 2008 às 00:00
Se formos muitos a vetar, talvez alguém tenha que dar mais atenção ao assunto... é uma esperança irrealista, eu sei, mas não será por isso que mudo de posição.
:)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds