Segunda-feira, 21 de Julho de 2008

Bem feito!

 

Deixei escapar o concerto de Leonard Cohen. Vi-o há vinte anos, é certo, mas não foi por isso que desta vez não fui. Este ano tenho andado com pouca paciência para concertos, e reconheço que o meu sentido de oportunidade não é famoso: tem sido um ano em cheio, e nestes últimos dias, então...

 

Nada a fazer, agora, a não ser ouvir as minhas músicas de culto (são quase todas, enfim...) e roer as unhas de pura inveja, ao ler esta magnífica crónica do meu amigo Pedro Cordeiro. É bem feito, para ver se aprendo a estar mais atenta e menos preguiçosa, da próxima vez!

 

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 23:00
link do post
16 comentários:
De Cristina Ribeiro a 21 de Julho de 2008 às 23:16
Meu Deus! Realmente a crónica é magnífica- e os meus CDs do Cohen que estão em Braga....
Pronto, já decidi: também estou com inveja :)
De Ana Vidal a 21 de Julho de 2008 às 23:36
É de se ficar, mesmo...
:)
De fugidia a 21 de Julho de 2008 às 23:41
Também gosto dele
(e fui apaixonada por um Leonardo... - risos)
De Ana Vidal a 21 de Julho de 2008 às 23:48
Ah, então para si as músicas eram especiais...
;)
De fugidia a 22 de Julho de 2008 às 00:06
yep...
De Júlia a 22 de Julho de 2008 às 00:17

os Leonardos são farsolas, Camões fez deles o tipico gabarola português,falso engatatão :-)

""Leonardo, soldado bem disposto
cavaleiro e namorado
a quem o amor não dera um só desgosto
mas sempre fora dele maltratado."

por isso, esqueça o Leonardo...
De fugidia a 22 de Julho de 2008 às 00:34
Esquecido há bué tempo (risos): paixão de adolescente; em jovem, gosto de outros géneros...
De Júlia a 22 de Julho de 2008 às 00:14
ando tão preguiçosa pra visitar os blogs. ainda não tinha visto a crónica e o blog está nos meus links.

também tou com imensa pena...

até me custa ver os videos, pois culpo-me mais :-))
De Jorge Antunes a 22 de Julho de 2008 às 09:11
Gosto do Leonard Cohen. E lembro-me de uma música dele, de há muitos anos, chamada So Long Marianne, que demorava longos minutos.
(será que, pondo-se um vírgula antes de Marianne, não significa, Tão Demorado, Mariana...)
Um música sempre igual, mas convidativa para um slow juvenil e inocente.
De Ana Vidal a 22 de Julho de 2008 às 17:53
Eu diria que estes slows eram mais juvenis do que inocentes, caro Jorge...
(sobre o "so long" nem sequer me pronuncio...) lol
De Huckleberry Friend a 22 de Julho de 2008 às 12:47
Ai, ai, o que é que se responde a quem nos deixa "sem jeito"? Olha, peço ajuda ao Cohen:

I swear it happened just like this:
a sigh, a cry, a hungry kiss
the Gates of Love they budged an inch

as palavras são dele, a música também, mas o beijinho que te deixo é bem meu, amiga.
De Ana Vidal a 22 de Julho de 2008 às 17:49
Outro para ti, Pedro.
Embalado em música.
:)
De miguel a 22 de Julho de 2008 às 22:43
Sem dúvida , Ana e comentei-o , de imediato, aqui em casa: a crónica do Pedro é excelente... aliás como tudo o que ele pensa e cria e escreve pelo menos no blogue dele.

A excelência da crónica do Pedro só é comparável à indiferença que nutro ( e sempre nutri ) pelo Leonard Cohen. Mais chato, monocórdico e talvez desafinado do que o homem não há. Li uma reportagem do concerto onde se chamava a atenção para as lágrimas que " Allelluiah" causou. Ouvi , então de novo" Allelluiah" para ver se chorava um pouco também e quis foi fugir a sete pés. Enfim, o homem é judeu, foi mulherengo e faz uma espécie de proselistismo junto com alguma iconoclastia (?) nos poemas dele e tudo isto ajuda ao culto. Mas daí até ser o maior... Enfim, gostos. Mas, caramba, porquê o unanimismo?
De Ana Vidal a 22 de Julho de 2008 às 23:08
Miguel, a palavra "culto" é uma hipérbole e só faz sentido aplicada às músicas, não ao homem. Por muito interessante, interventivo ou politicamente correcto que ele seja, para mim a idade dos ídolos já passou há muito tempo.
Mas gosto das canções do LC (e dos poemas), e não me importo nada que sejam todas razoavelmente parecidas: se são boas, mais do mesmo é sempre bem-vindo...
Até aceito o epíteto de monocórdico, mas quanto ao "desafinado" é que já não posso concordar contigo.

Mas seja muito bem aparecido, senhor provocador-mor. Já tinha dado pela tua falta!
De sofia k. a 24 de Julho de 2008 às 10:45
Aninhas, devias ter dado ouvidos à miúda! Eu sempre disse que ia ser fantástico! Vens para a próxima!

Sabes, acho que foi a companhia que inspirou aquela crónica... não te parece?

beijinhos
De Ana Vidal a 24 de Julho de 2008 às 11:19
Claro que foi, não tenho uma dúvida, miúda!!!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds