Segunda-feira, 7 de Julho de 2008

Beleza pura

 

 

Esta imagens, grandiosamente belas, escondem sempre uma terrível ameaça para quem está perto do vulcão em actividade. Nas fotografias o Llaima (Chile), que uma vez mais deu sinal de vida e expulsou das suas encostas habitantes e turistas de uma estância de ski, mais assutados do que encantados com o espectáculo.

 

Para nós, que estamos a salvo, fica o deslumbramento sem o susto. 

 

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 17:33
link do post
7 comentários:
De O Réprobo a 7 de Julho de 2008 às 18:36
Nativos da América Central cristianizados chamavam às erupções do vulcão que conheciam "vómitos do Diabo". E este sabe fazer-se atraente...
Beijinho
De Ana Vidal a 7 de Julho de 2008 às 18:59
É um espectáculo avassalador, não é? Eu fico hipnotizada...
De Júlia a 8 de Julho de 2008 às 22:32
parece irreal, um quadro!...
De Luísa a 7 de Julho de 2008 às 19:01
É o belo-horrível, querida Ana, que deslumbra e arrepia. Não percebo, aliás, como é que há gente que se aproxima e até vive nessas encostas! Como não percebo, de resto, como puderam formar-se e manter-se grandes metrópoles em sítios que envolvem alto risco de catástrofe natural. São os paradoxos – sou tentada a pensar – do comodismo humano… :-)
De Ana Vidal a 8 de Julho de 2008 às 17:20
É verdade, Luísa, Como um incêndio: destruidor mas de uma beleza que fascina.
A espécie humana tem a eterna tentação do abismo...
De Cristina Ribeiro a 7 de Julho de 2008 às 21:47
Quando agora estive no sítio onde "explodiu" o Vulcão dos Capelinhos, tentei imaginar...
De Ana Vidal a 8 de Julho de 2008 às 17:22
Aí tudo apela à beleza de que fala a Luísa, Cristina. Uma beleza sempre ameaçada...

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds