Quinta-feira, 3 de Julho de 2008

Boa nova

Impossível ficar indiferente a esta notícia: a libertação de Ingrid Betancourt liberta-nos também a todos um pouco do sufoco de sabê-la a definhar, doente, num cativeiro que parecia eternizar-se. Um final feliz. Uma mãe notável e uma ainda mais notável filha, em quem parece haver muito mais alegria do que ressentimento, muito mais felicidade do que ódio. Muitos políticos irão agora querer sacar louros deste desfecho inesperado, mas não é isso o que mais interessa: uma mulher resistiu seis anos aos seus algozes e conservou o sorriso. Com toda a certeza, porque não perdeu a esperança. Bem-vinda ao mundo, Ingrid.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 13:15
link do post
4 comentários:
De O Réprobo a 3 de Julho de 2008 às 14:57
E, para mais, tentou lutar contra as contingências, ensaiando uma tentativa de fuga, a qual veio a ser punida com a privação das botas, que revoltará mais gente do que os meus colegas fetichistas, conhecendo-se a necessidade delas na selva Sul-Americana, salvo, eventualmente, para povos autóctones.
Beijinho, Querida Ana
De Ana Vidal a 3 de Julho de 2008 às 16:18
É verdade, Paulo, sublinhou bem: além de resistente, corajosa!
De rocha a 4 de Julho de 2008 às 19:46
Ana,
Não sei a razão, pois deve haver por esse mundo fora inúmeras Ingrids Betancourts em cativeiro sem qualquer chance de sobrevivência, mas o caso desta mulher tocou-me desde a 1ª noticia que saiu sobre ela....Acho que o que mais me impressionou foi o facto de ela mencionar em cartas escritas e postas cá fora que estava viva graças à mãe que lhe enviava uma mensagem diária de esperança e que ela ouvia todas as manhãs num rádio que conseguiu ter até ao fim ....Que amor é este que a fez sobreviver 6 anos numa selva indiscritível..VIVAM AS MÃES DESTE MUNDO
Rocha
De Ana Vidal a 5 de Julho de 2008 às 03:04
Vivam, sim! Também achei espantoso esse cordão umbilical que a menteve ligada à vida e ao mundo, alimentado diariamente pela mãe. E talvez seja por isso também que ela mantem um ar sereno, depois de todo este calvário. Fantástica.

Beijinhos

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds