Terça-feira, 1 de Julho de 2008

Encontro

"As pessoas caem umas nos braços das outras sem delinear a aventura. Quando muito, avançam num ziguezague. Mas, uma vez no rumo certo, corrigem o desvio e se juntam. Amor tão repentino representa um choque, e aqueles que assim se defrontaram são devolvidos ao ponto de partida como por efeito de um disparo. Projetados violentamente, sua trajectória de retorno os incrusta novamente, canhão adentro, num cartucho sem pólvora.


Uma vez por outra, um par se afasta desta regra invariáveI. Seu propósito é francamente linear, não carece de rectidão prévia. Misteriosamente, escolhem o labirinto. Não podem viver separados. Esta é a única certeza que os possui, e terminam perdendo-a ao se procurarem. Quando um deles erra e marca o encontro, o outro finge não perceber e passa sem cumprimentar."

 

Juan José Arreola

 

Nota: mais uma pérola de Arreola, roubada à Meg.

 

(Imagem: Fernando Aguiar - Contratexto ou anti-romance com personagens)


 

publicado por Ana Vidal às 09:46
link do post
10 comentários:
De Once a 1 de Julho de 2008 às 10:39
"num cartucho sem pólvora .."
.. é "minha" esta frase ..

Gostei de ler Ana *
De Ana Vidal a 1 de Julho de 2008 às 20:41
Acho que já aconteceu a todos nós, Once. Mas um dia, não se sabe quando, pode acontecer o contrário. E há que estar atento, porque mesmo que seja um permanente labirinto, vale a pena...
De cristina ribeiro a 1 de Julho de 2008 às 13:40
Hoje só encontro pessoas sábias: acabei de conhecer uma no blogue do Paulo, e agora a Ana apresenta-me outra...
De Ana Vidal a 1 de Julho de 2008 às 20:43
Ainda não fui ao Afinidades. Vou lá agora ver. O Arreola conhece bem a vida, de facto...
De O Réprobo a 1 de Julho de 2008 às 14:24
Estou curiosíssimo por conhecer o Autor. Pensava que a Ana já o tivesse descoberto, mas ainda é a indicação da Meg, preciosa como todas.
Cito uma Colega nossa da Blogosfera - o labirinto é a procura, apesar de as pessoas pensarem que é onde se perdem.
Beijinho
De Ana Vidal a 1 de Julho de 2008 às 20:47
Também estou, Paulo. Não, ainda não encontrei nada dele. Não tenho tido tempo nenhum, mas hei-de procurá-lo um dia destes. Grande Meg, não é? Tem sempre as melhores pérolas!

Bem visto: o labirinto é a procura. E isto lembrou-me uma frase da Isabel Allende: "A memória é um labirinto onde espreitam Minotauros."

beijinho
De fugidia a 1 de Julho de 2008 às 23:24
Gosto sobretudo desta parte:
«As pessoas caem umas nos braços das outras sem delinear a aventura. Quando muito, avançam num ziguezague. Mas, uma vez no rumo certo, corrigem o desvio e se juntam»

Beijinho, querida Ana
De Ana Vidal a 1 de Julho de 2008 às 23:53
Beijo, Fugi querida. Eu acho todo o texto precioso, cheio de ironia e muito conhecimento sobre a geografia da alma humana.
De sofia k. a 7 de Julho de 2008 às 11:44
Que preciosidade! Gostei imenso, mas não teço mais comentários, não vá o diabo tecê-los... um dia explico! ;-)

Gosto quando 'corrigem o desvio e se juntam'!

beijos
De Ana Vidal a 7 de Julho de 2008 às 12:23
:) Beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds