Sábado, 28 de Junho de 2008

Paixões

 

Por causa destas confissões colectivas sobre as primeiras paixões, lembrei-me de um provérbio francês que vem a propósito e é delicioso:

 

L'amour platonique est toujours plat... et jamais tonique!

 

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 12:17
link do post
8 comentários:
De cristina ribeiro a 28 de Junho de 2008 às 16:11
No meu caso, Ana, o "quente" de que fala a Fugidia estava mesmo só nos olhares :)
De Luísa a 28 de Junho de 2008 às 18:54
Minha querida Ana, aceito o «jamais tonique». Mas o «plat»? «Plat» é que ele não é, na ânsia inconfessada, interiormente tumultuosa e eternamente insatisfeita de ganhar o «tonique»… ;-)

De O Réprobo a 28 de Junho de 2008 às 20:37
Brilhante, Ana!
Curioso como passou esta ideia do Amor Platónico, quando o Autor, apesar da propalada homosexualidade grega e da própria, teorizava esta modalidade para relações exclusivamente masculinas.
Beijinho
De mike a 28 de Junho de 2008 às 22:58
Ana, já me ri com o provérbio, mas concordo com a Luísa. :)
De fugidia a 28 de Junho de 2008 às 23:07

Delicioso, Ana.
Mas já somos três: estou com a Luísa!
De Ana Vidal a 29 de Junho de 2008 às 01:09
Meus amigos, não fui eu que inventei o provérbio... mas acho que têm razão: a conquista do "tonique" dificilmente é "plat", a não ser que seja uma desistência logo à partida.
Mas a frase não deixa de ser uma trouvaille...
:)
De Zabal a 29 de Junho de 2008 às 19:32
A propósito de "quente e trouvaille":

Quel est la différence entre un homme et une femme?
C'est que la différence entre!

Aqui não há plat... apenas tonique!
;-)

Bjocas!
De Ana Vidal a 29 de Junho de 2008 às 22:18
Vive la différence, Zabal!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds