Sexta-feira, 27 de Junho de 2008

Metades


 

Sou como tu, Sophia: metade de mim é maresia. E até na outra, a que devia contrapôr ao sal e à espuma a terra firme, há rastos de algas e um canto de sereia. Há pedras roladas por infindáveis marés. Fazem sentir-me, em vez de terra, areia. Essa metade minha é ao revés. Metade de mim voa, é ventania. A outra, só ecoa. Procura a luz, talvez, essa metade inquieta. A outra... vegeta. Mas é a mais rasteira, essa metade que me prende ao chão, a que me faz matéria verdadeira. A que me liga ao mundo, a que tem sombra e fundo. A outra não. A outra, só me assombra. Sou como tu, Sophia: metade de mim é pura fantasia. A outra? A outra é alquimia.

 

(Imagem: René Magritte, Black Magic)

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 16:36
link do post
16 comentários:
De Rita Ferro a 27 de Junho de 2008 às 19:29
E a outra ainda, Ana, é Poesia.
De Júlia a 28 de Junho de 2008 às 10:41


...e a outra ainda é aquela desconhecida..

adorei!

beijinho
De Rita Ferro a 28 de Junho de 2008 às 13:00
... E a mais desejada! Beijo tb, Júlia!
De Ana Vidal a 29 de Junho de 2008 às 01:16
Essa, a desconhecida, está presente nas outras duas e é sempre a que mais interessa!
Beijinho
De cristina ribeiro a 27 de Junho de 2008 às 21:32
E o mar ao fundo. E o barco que está à espera...
Beijinho
De Ana Vidal a 29 de Junho de 2008 às 01:15
Humm... há sempre um barco à espera, Cristina?
De fugidia a 27 de Junho de 2008 às 21:35
Como a compreendo, querida Ana

E lembrei-me (risos) da letra da música "traduzir-se", que adoro ouvir cantada pela Adriana Calcanhoto, e com a qual me identifico muito:

«Uma parte de mim é todo mundo
Outra parte é ninguém, fundo sem fundo;
Uma parte de mim é multidão
Outra parte estranheza e solidão;
Uma parte de mim pesa e pondera
Outra parte delira…»

Beijos e bom fim-de-semana
De Ana Vidal a 29 de Junho de 2008 às 01:13
E quando são só duas partes, ainda é uma sorte!
Beijinho, Fugi.
;)
De O Réprobo a 28 de Junho de 2008 às 11:54
Maneira elegantíssima de afirmar que, apesar da metade mais luninosa, só a integralidade coloca próximo do Céu...
Beijinho atrevidote
De Ana Vidal a 29 de Junho de 2008 às 01:12
Não sei se é elegante, mas é exactamente isso o que quero dizer. Sempre perspicaz, meu caro amigo atrevidote!
De Júlia a 28 de Junho de 2008 às 21:38

beijo também,Rita!


De Júlia a 29 de Junho de 2008 às 14:39

imagino que sim !
De Teresa Ribeiro a 29 de Junho de 2008 às 15:50
Post lindíssimo! Daqui me curvo :)
De Ana Vidal a 29 de Junho de 2008 às 16:00
Obrigada, Teresa.
:)
De sofia k. a 7 de Julho de 2008 às 11:40
Afinal também há poesia depois das férias! Voltei...

Tão bonito, Ana!

Dizia o Torga que 'de nenhum fruto queiras só metade!'

beijinhos
De Ana Vidal a 7 de Julho de 2008 às 12:24
E tinha razão... os frutos até podem vir às metades, mas têm de vir as duas!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds