Sexta-feira, 20 de Junho de 2008

Pára tudo...

... que eu tenho estado aqui deliciada a ouvir a magnífica Sara Vaughan, num programa especial do canal Mezzo.  A voz dela é um instrumento deslumbrante. Ou melhor, é uma orquestra inteira. Quando ela ataca Send in the clowns, outra das minhas canções de sempre, só me apetece voar (de avião, balão ou asa delta, tanto faz) para NY e aterrar no Blue Note.

 

 

(Send in the clowns - encontrei-a!)

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 23:54
link do post
9 comentários:
De mike a 21 de Junho de 2008 às 00:55
Galardoada três vezes com o Grammy Award, Sarah Vaughan foi legitimamente considerada como uma das vozes mais marcantes do século XX. Cedo se notabilizou nas suas aparições no Apolo Theatre até ser apresentada a Earl Hines, bandleader na altura, que a contratou como pianista, antes de sucumbir à sua voz e a promover a vocalista da banda. A partir daí o jazz rendeu-se incondicionalmente à sua voz divina, caracterizada por uma tonalidade grave, enorme versatilidade e controle do vibrato. E a História eternizou-a. Assim desconversei sobre os "meus preferidos jazz". Parabéns pela escolha, Ana.
De Ana Vidal a 21 de Junho de 2008 às 01:19
Thanks, Mr. Mikeypedia!
(isso era um post no Desconversa?)
De mike a 21 de Junho de 2008 às 12:47
Era, mas isso não interessa. O que interessa é a voz da Sarah Vaughan. :)
De O Réprobo a 21 de Junho de 2008 às 19:38
A voz é magnífica, mas aqui canta como quem corre 100m, à bruta, sem articulação com o piano, remetido a insignificância ainda maior que a de origem prescrita.
Beijinho
De Ana Vidal a 22 de Junho de 2008 às 01:39
"À bruta", Paulo? Hoje não conseguimos concordar em nada, já vejo...
:)
De Júlia a 21 de Junho de 2008 às 21:29
que arrepio, meus deuses!...
brigada,brigada! parei mesmoooo!
De Ana Vidal a 22 de Junho de 2008 às 01:38
:) Júlia, ainda bem que gostaste.
De RAA a 22 de Junho de 2008 às 00:20
É isso mesmo, vizinha! Deslumbrante.
Um abraço.
De Ana Vidal a 22 de Junho de 2008 às 01:38
Abraço, vizinho.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds