Domingo, 15 de Junho de 2008

Cata-Ventos

 

Satori in Cascais

O Jansenista, n' O Jansenista

 

Estou farta!

Sofia Galvão, no Geração de 60

 

120 anos

João Gonçalves, no Portugal dos Pequeninos

 

Astrologia

João Gaspar, no Last Breath

 

Pacatos e ordeiros

Rui Bebiano, n' A Terceira Noite

 

Era filho...

Alf, no Bom Jardim

 

Criador de extrema direita

Azia, no Azeite & Azia

 

Se tudo quanto existe

Rita Ferro, no Pronome Possessivo

 

Porquê? Por mera intuição

Mike, no Desconversa

 

A minha homenagem...

Júlia Moura Lopes, n' O Privilégio dos Caminhos

 

O lado bom das coisas

Adelaide Amorim, n' O Bem, o Mal e a Coluna do meio

 

Raça

José Manuel Pureza, no Palombella Rossa

 

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 21:00
link do post
9 comentários:
De Júlia a 15 de Junho de 2008 às 21:55

Oh, Ana, obrigada, pura cortesia tua, escolheste logo o meu poema já tão batido e demodé.
É biligue, sabias? :-)

beijo
De Ana Vidal a 15 de Junho de 2008 às 22:42
E desde quando um poema é demodé?
(bilingue? não sabia)
Beijinho
De Júlia a 15 de Junho de 2008 às 22:55

eu explico:

1 - os poemas menos bons passam de moda, a meu ver.Este ainda escapa um pouquito,embora não goste de algumas coisas

2 - fi-lo eu francês e depois a pedido , mudei-lhe a rosa. Claro que o poema é outro, pois a tradução não é literal :-)

De Ana Vidal a 15 de Junho de 2008 às 23:00
Percebo o que queres dizer sobre os poemas ficarem datados. Mas isso tem mais a ver com a forma e menos com o conteúdo, e até isso é discutíivel. E quando os poemas são muito maus, minha querida, acho que nunca chegam a "estar na moda". O que não é o caso.
:)
De julia a 16 de Junho de 2008 às 21:21

concordo contigo, pronto.

De Alf a 16 de Junho de 2008 às 00:25
Grato pelo destaque e pelas palavras simpáticas.

*
De Ana Vidal a 16 de Junho de 2008 às 01:29
São sempre merecidas, Alf.
Beijinho
De mike a 16 de Junho de 2008 às 22:45
Os meus agradecimentos, Ana. :)
De Ana Vidal a 17 de Junho de 2008 às 16:53
Nada a agradecer, Mike. Gostei muito do seu texto.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds