Domingo, 15 de Junho de 2008

Bom Domingo!

Para hoje, uma sugestão diferente: a fantástica banda sonora Mararia (premiadíssima), do meu querido Pedro Guerra, para o filme do mesmo nome que ainda não consegui apanhar no clube de vídeo. A música, essa, conheço-a há muito tempo e adoro. Ouçam-na com o som bem alto, como se deve ouvir boa música. Bom Domingo! 

 

(Mararia - Pedro Guerra)

 

Etiquetas: , ,
publicado por Ana Vidal às 11:44
link do post
14 comentários:
De fugidia a 15 de Junho de 2008 às 14:35
Boa música.
Bom domingo, Ana
De Ana Vidal a 15 de Junho de 2008 às 17:25
Obrigada, Fugi. Bom resto de domingo para si também.
De cristina ribeiro a 15 de Junho de 2008 às 20:40
Muito bonita a música, na verdade! E também gostei do vídeo.
De Ana Vidal a 15 de Junho de 2008 às 22:46
Ainda bem que gostou, Cristina.
De O Réprobo a 15 de Junho de 2008 às 22:28
Muito boa, mesmo, Querida Ana. começa com uns ressaibos mahlerianos de percussão modificadora assistidos, mas passam logo a registos completamente diversos e sempre prendendo o ouvinte.
Beijinho
De Ana Vidal a 15 de Junho de 2008 às 22:45
Tenho o cd e é muito bom, todo ele. Só tenho pena de não ter visto o filme.
De mike a 16 de Junho de 2008 às 00:33
Já só a tempo para lhe desejar uma boa semana, Ana. :)
De Ana Vidal a 16 de Junho de 2008 às 00:38
Obrigada, Mike. Uma óptima semana também para si.
:)
De miguel l. a 16 de Junho de 2008 às 10:31
Ora o nosso amigo Pedro Guerra faz , neste particular ,uma incursão muito óbvia por terrenos cujo desbravamento é possível através de uma de duas maneiras:

- com talento genético, próprio de alguns nomes da ( chamada ) música erudita.

ou...

- indo buscar inspiração a um ou mais de um desses talentos.

Parece-me ser este último caso. Sem querer armar aos cucos, parece-me que este bonito trecho musical bebe muito da sua beleza na fusão improvavel das sonoridades mais a oriente de Brahms e daquelas tipicamente ibéricas , saídas da inspiração de um Manuel de Falla ou um Albeniz.

Ciente que armei mesmo aos cucos, aqui fica , no entanto, a minha opinião não sem que, para acabar, faça um pedido à Ana : por favor, repõe aqui, um dia destes, " Las Gaffas de Lennon" do Pedro Guerra , porque não as encontro (a música, não as gaffas) em formato digital.

um abraço
De Ana Vidal a 16 de Junho de 2008 às 11:49
Miguel, terás provavelmente razão. Há sonoridades que remetem para os grandes compositores espanhóis que citaste (e também de Rodrigo, por exemplo) nesta belíssima música do Pedro Guerra. Mas influência não é plágio, e todos os grandes compositores foram buscar inspiração aos seus antecessores, as suas referências naturais. Estas referências estão sempre presentes em todos os artistas. Acontece o mesmo com os escritores, pintores, etc, e é perfeitamente normal.
Além disso, o Pedro Guerra já provou ser um compositor de pleno direito, e não só com esta banda sonora.

Quanto à canção que me pedes, ponho-a aqui outra vez com muito gosto. É uma das minhas preferidas dele também, embora eu goste de quase todas. Aqui a tens.

Abraço
De sofia k a 16 de Junho de 2008 às 12:22
Ai o concerto dele foi maravilhoso!!! Apaixonei-me! Está cada vez mais feio, mas as novas músicas são lindas! A ver se te arranjo o CD, vais adorar!

Há uma que se chama '5.000 años'... linda! Sabes que ele teve um filho há pouco tempo? E que lhe dedicou uma música... Chama-se 'Cuando Pedro llegó!' Foi mais ou menos baba e ranho e muitos pontapés do limão! Se o Limão não for tangerina já tem música...

beijinhos
De Ana Vidal a 16 de Junho de 2008 às 22:32
Imagino... e tenho inveja, gostava de ter lá estado no concerto.
Cada vez mais feio? Acredito, a beleza não é mesmo o forte dele... mas não se pode ter tudo, right?
Beijinhos
De Julia a 16 de Junho de 2008 às 21:26
Gravei, Ana, para mais tarde reutilizar :-))
De Ana Vidal a 16 de Junho de 2008 às 22:30
Claro, Júlia. Sabe sempre bem ouvir o Pedro Guerra. Digo eu, que sou suspeita.
;)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds