Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

Pausa

 

 

Ninguém ainda sabe se tudo apenas vive para morrer ou se morre para renascer.

Marguerite Yourcenar

 

 

Quero acreditar que morremos para renascer. Um dia, de uma forma qualquer que dê algum sentido a esta vida que vivemos, às vezes tão inexplicável. Porque algum sentido tem de haver numa morte que nos parece apenas injusta. Apenas estúpida.

 

 

publicado por Ana Vidal às 09:57
link do post
13 comentários:
De Huckleberry Friend a 11 de Junho de 2008 às 10:21
O sorriso que Terence me trouxe desapareceu ao fechar a caixa de comentários... nova entrada, tristeza contagiante, mesmo sem nada saber de quem partiu. Um beijo, Ana.
De Teresa a 11 de Junho de 2008 às 12:27
Não tenho palavras, querida Ana. Cada vez menos vou tendo palavras, à medida que as perdas dolorosas se nos vão fazendo mais frequentes.
Deixo-te apenas um grande beijo que quem sabe como é.
De fugidia a 11 de Junho de 2008 às 14:29
Um beijinho.
De O Réprobo a 11 de Junho de 2008 às 14:30
Um beijinho, Querida Ana
De Leonor a 11 de Junho de 2008 às 15:15
Um grande beijo, Ana.
De Pitucha a 11 de Junho de 2008 às 15:23
Um beijo Ana
De mike a 11 de Junho de 2008 às 15:24
Ah, eu só acredito que nascemos para vivermos e morrermos. Mais simples e sem mistérios. Boa pausa, Ana.
De adelaide amorim a 11 de Junho de 2008 às 21:48
Ana, vinha matar as saudades, mas vejo por seu post que outras saudades estão nascendo aqui. Pena essa notícia, e sinto por você e por quem se foi, mesmo sem conhecer.
Um grande beijo.
De Teresa Ribeiro a 12 de Junho de 2008 às 00:47
Beijinho, Ana.
De Hetie a 12 de Junho de 2008 às 02:04
Um beijo, com carinho. Hetie

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds