Segunda-feira, 9 de Junho de 2008

Poemas escolhidos - 3

 

 

 

AULA DE DESENHO 

 

Estou lá onde me invento e me faço: 

De giz é meu traço. De aço, o papel. 

Esboço uma face a régua e compasso: 

É falsa. Desfaço o que fiz.   

Retraço o retrato. Evoco o abstrato 

Faço da sombra minha raiz. 

Farta de mim, afasto-me 

E constato: na arte ou na vida,   

Em carne, osso, lápis ou giz 

Onde estou não é sempre 

E o que sou é por um triz.

 

(Maria Esther Maciel)

 

(Imagem: C. Escher)

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 19:02
link do post
8 comentários:
De mike a 9 de Junho de 2008 às 20:33
E o que sou é por um triz. Gosto dessa parte.
De Ana Vidal a 9 de Junho de 2008 às 21:45
Então é essa que vai para a salada de frutas!
De O Réprobo a 9 de Junho de 2008 às 22:09
Claro que sabemos que uma Mulher nunca se farta de si como objectivo, podendo apenas fazê-lo da e como tentativa...
Beijinho, Querida Ana
De Ana Vidal a 9 de Junho de 2008 às 23:01
"Claro que sabemos", caro Paulo? Eu farto-me de mim muitas vezes, e acho isso muito saudável. Os outros são muito mais interessantes quando isso acontece...
De fugidia a 9 de Junho de 2008 às 22:18
Que belíssima conjugação de palavras e desenho.
Gostei muito deste post, Ana.
Obrigada
De Ana Vidal a 9 de Junho de 2008 às 23:05
Também gosto de ambos, Fugi.
De O Réprobo a 10 de Junho de 2008 às 20:04
Lá está muitas vezes...
Como tentativa, pois.
Beijinho, Querida Ana
De Rita Ferro a 13 de Junho de 2008 às 12:41
Ofereci este quadro ao Virgílio... Ainda o tem pendurado em cima da cama... Um dia, anos depois, quis recuperá-lo. Too late. Lol

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds