Segunda-feira, 9 de Junho de 2008

Juan José Arreola


LIBERDADE 

 

«Acabo de proclamar a independência dos meus actos. À cerimônia compareceram apenas alguns desejos insatisfeitos, duas ou três atitudes condenáveis. Um propósito nobilitante, que prometera aparecer, enviou à última hora a sua escusa humilde. A cena transcorreu num silêncio pavoroso.

 

Creio que o erro esteve na proclamação ruidosa: trombetas e sinos, foguetes e tambores. E, para culminar, uma engenhosa queima de moral pirotécnica, que não chegou a arder de todo.

 

No final das contas, achei-me sozinho comigo mesmo. Despojado de todos os atributos de caudilho, os confins da noite encontraram-me empenhado na simples tarefa de escritório. Com os últimos restos de heroísmo, atirei-me à penosa incumbência de redigir os artigos de uma extensa Constituição, que amanhã submeterei à assembleia-geral. O trabalho divertiu-me um pouco, apagando do meu espírito a triste impressão do fracasso.

 

Leves e insidiosos pensamentos de rebeldia voam como mariposas noturnas em volta da lâmpada, enquanto sobre os escombros de minha prosa jurídica passa, de quando em vez, um tênue sopro da Marselhesa.» 

 

Quem escreve assim é Juan José Arreola, um escritor mexicano de quem eu nunca tinha lido nada. Mea culpa. Mas fui salva da ignorância pela erudição, sempre generosamente partilhada, da minha amiga Meg. Este texto subjugou-me à primeira linha, e, na próxima ida à feira do livro (na 3a feira não escapa, espero) vou procurar obras dele. Pela Meg fico a saber que Arreola  foi "amigo e interlocutor de Jorge Luis Borges. Da mesma geração que Juan Rulfo, foi um  renovador da literatura não só mexicana, mas de toda a literatura da America Latina. "      

 

Deixo-vos ainda duas outras pérolas de Arreola, especialista em micro-narrativas:   

        

"Dois pontos que se atraem não têm por que seguir forçosamente uma linha recta. Sem dúvida, é o caminho mais curto. Há, no entanto, os que preferem o infinito." 

 

"Sou um Adão que sonha no paraíso, mas acordo sempre com as costelas intactas."

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 02:36
link do post
8 comentários:
De Pedro Barbosa Pinto a 9 de Junho de 2008 às 10:37

Companheiro Arreola, muito pior que acordares sempre com as costelas intactas, seria acordares com uma partida e um estivador ao teu lado a fumar um cigarrito.

De Ana Vidal a 9 de Junho de 2008 às 11:23
"Mais vale só do que mal acompanhado"?
Não sei, Pedro, esse conceito é sempre muito relativo. O de "mal acompanhado", claro.
De Pedro Barbosa Pinto a 9 de Junho de 2008 às 12:01
Se mais vale só do que mal acompanhado, definitivamente sim Ana. Já relativamente a companhias, que cada um escolha as que mais lhe agradarem.
Da frase do Arreola, colocada assim e sem mais, depreendi que ele gostaria de acordar abraçado a uma Eva e não agarrado a uma cobra, mas claro que posso estar enganado. E convenhamos que uma costela partida não é agradável.
De Ana Vidal a 9 de Junho de 2008 às 15:06
Concordo, claro. O que eu digo é que o "mal acompanhado" é um conceito variável. Entre Evas e Adões cada um tem as suas preferências, nem sempre as mais óbvias. E nem sempre, também, se sai dessas escolhas com as costelas inteiras...
:)
De OnceinaWhile a 9 de Junho de 2008 às 10:41
"dois pontos que se atraem não têm por que seguir forçosamente uma linha recta .. " que resumo fabuloso do que é a vida ..
Gostei muito Ana .. obrigada pela partilha.
De Ana Vidal a 9 de Junho de 2008 às 11:19
É mesmo, Once: fabuloso.
Beijinho
De Rosita a 16 de Março de 2009 às 14:17
Olá amiga
Gostei muito do seu blog. Andei vendo que vc postou alguma coisa do Arreola. Eu pesquiso sua obra... poderia dizer como conseguiu a tradução dos textos que postou? Estou em Brasília, e você?
Abraço.
Rosita.
De Ana Vidal a 16 de Março de 2009 às 15:05
Olá, Rosita.
Os textos do Arreola foram tirados do blog Subrosa, da Meg, que está linkado no post.

Obrigada e volte sempre.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds