Domingo, 1 de Junho de 2008

Dia da Criança?

Hoje, em vez de dizermos em posts como as crianças são bonitinhas e engraçadas, em vez de lamentarmos as que sofrem e passam fome, as que não têm acesso ao mais básico conforto, as que vivem em cenários de guerra ou são vítimas de todo o género de abusos, façamos alguma coisa de concreto. Se não podemos acudir a todas elas, tratemos de ajudar UMA.

 

Hoje, parece-me um bom dia para divulgar esta notável campanha da Diocese de São Tomé e Príncipe: dando a uma criança uma oportunidade de desenvolver-se mais harmoniosamente, estaremos a melhorar também todas as vidas que ela vier a tocar, no futuro, com os instrumentos que lhe demos.

 

Faça de conta que tem (mais) um filho - distante, é certo, mas presente pelas notícias que lhe irá mandando, dos seus sucessos escolares e pessoais. O contributo que nos é pedido é mínimo, quase ridículo no nosso orçamento (mesmo que apertado, como infelizmente está o de quase todos nós) - não mais do que uma jantarada fora, uma peça de roupa de marca ou uma ida ao futebol.  Aliás, o que se nos pede é uma participação à medida das nossas possibilidades, não mais do que isso. Por isso esqueça o preconceito, esqueça as conotações religiosas desta iniciativa, mesmo que não se identifique com elas: quem a toma é quem está no terreno, logo, quem pode intervir com mais eficácia e conhecimento de causa. E o que está em jogo é infinitamente superior a esses pormenores.

 

Eu já decidi: vou ter um afilhado em São Tomé.

 

 

******************************************

 

Diocese de São Tomé 

 

Apadrinhamento à distância

 

 

A sua ajuda poderá ter um grande impacto na vida de uma destas crianÇas

 

 

 

 

A sua participação ou pedido de informações deve ser

dirigida ao Bispo D. Manuel Santos, CMF

 

Via email para: manuelsantoscmf@hotmail.com

 

D. Manuel Santos CMF
Diocese de São Tomé
São Tomé e Principe
Tel +23 992 9505

 

 

Uma escolha de paz para o desenvolvimento

 

- No mundo, e em particular em São Tomé e Príncipe, muitas crianças são vítimas diariamente da marginalização, da fome, das doenças, da violência e da pobreza.

 

- Neste país falta o acesso à alimentação, à água potável, à assistência médica, à educação de base, faltam os direitos fundamentais do homem.

 

- A Diocese de São Tomé e Príncipe, com esta campanha de apadrinhamento à distância, tem-se empenhado em representar os mais necessitados do mundo.

 

- O apadrinhamento à distância é um grande esforço de solidariedade humana e de participação no desenvolvimento dos povos.

 

- O apadrinhamento à distância aproxima-o de uma criança, da sua família e da sua comunidade, torna-o um elemento activo e participante no desenvolvimento e no crescimento das comunidades em vias de desenvolvimento e permite-lhe colaborar para a sensibilização de muitas outras pessoas como você.

 

A sua participação é essencial

 

- Receberá um postal informativo e descritivo dos programas que implementamos, bem como uma fotografia da criança que adoptará à distância.

 

- Durante o ano receberá também duas mensagens da criança, por ocasião das épocas do Natal e da Páscoa, e um relatório anual sobre o trabalho desenvolvido no terreno.

 

Apadrinhamento à distância significa desenvolvimento

 

- Não pretendemos unicamente distribuir fundos destinados à aplicação em situações de emergência. Visamos o planeamento de um projecto que construa, no decorrer do tempo, um instrumento moral e humano sólido e uma estrutura para o desenvolvimento no interior da comunidade local, da criança à família.

 

- Uma vez individualizada uma área de intervenção seleccionada pelos nossos contactos locais, laicos ou missionários, planificamos em conjunto com as famílias, operadores e autoridades locais, as intervenções de emergência que se impõem, que fazem parte de um programa para combater a longo prazo as causas que estão na base da pobreza.

 

- Através do contacto com a criança sustentada à distância, o seu apadrinhamento contribuirá para proporcionar à criança a escolha de um futuro, apoiará a sua família e contribuirá para o desenvolvimento e para o bem-estar da comunidade em que se insere.

 

- Por estes motivos, os nosso programas não se limitam a fornecer bens materiais e estruturais, mas alargam-se à participação e envolvimento das comunidades locais no fomento do desenvolvimento, por forma a torná-las autónomo para agirem como interlocutores directos dos seus direitos combatendo as causas da pobreza.

 

Uma longa amizade à distância

 

- Porque combatemos a pobreza juntos, o seu papel será tão importante como o nosso,


- Ajudando uma criança e a sua comunidade, num dos países mais pobres do mundo

 

- Dando vida a projectos a longo prazo que garantam melhores condições de vida e o respeito pelos Direitos do Homem;

 

- Aproximando-se de uma realidade distante através da fotografia de 1 criança, das suas mensagens e de informações sobre o seu percurso escolar.

 

 

Adenda (às 16.00h): Com uma prontidão impressionante, o Bispo de São Tomé e Príncipe já respondeu ao meu pedido de informações. Aqui fica o texto da resposta que recebi por mail, que poderá ajudar quem queira entrar nesta aventura:

 

"Agradeço a comunicação. Acho que é de facto uma iniciativa cheia de sentido, sobretudo no Dia da Criança. Para melhor organizarmos estes apadrinhamentos, decidimos que a CARITAS de Setúbal assumisse esta organização. Assim, agardecia que contactassem com essa Instituição que eles darão andamento à vossa vontade de apadrinhar uma criança em São Tomé. É um país cheio de crianças, mas com muita pobreza. Oxalá esta iniciativa nos permita colaborarmos para darmos um pouco mais de perspectivas de futuro a algumas delas.
O e-mail da CARITAS de Setúbal é:

caritas.setubal@mail.telepac.pt


Se houver alguma dificuldade, contactem-me de novo. Aqui estarei.
 
Que Deus vos abençoe!
 
+ Manuel António Santos CMF"

 

 

publicado por Ana Vidal às 12:29
link do post
23 comentários:
De rocha a 1 de Junho de 2008 às 13:50
Ha anos que tenho uma afilhada em Moçambique no xai xai através da Acreditar ONG e que por 125€ ano se sustenta uma criança aue almoçam e jantam todos os dias.....Digo-te que qando recebo no natal uma folha de papel roida com um feliz natal para a "minha madrinha" da Esperança João ( nome da minha afilhada) fico mais pequenina que qualquer uma daquelas crianças...Vale a pena
badié
Rocha
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 14:17
É isso mesmo, Bela. Sei da tua história e acho que estas coisas têm pouca divulgação, apesar de tudo, por isso trouxe para aqui este mail que recebi.
Obrigada pelo testemunho. Por mim, como já disse, vou inscrever-me na campanha e ganhar um afilhado. Acho que estes gestos são uma mera obrigação de quem vive em países civilizados, mesmo que não seja rico. Viver melhor do que estas crianças é fácil...
Badié? (essa não conheço, espero que não me estejas a mandar à fava...)
Beijo
De Teresa a 1 de Junho de 2008 às 14:06
Que belíssima ideia, Ana!
Acho que quero uma afilhadinha!
Beijo e obrigada.
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 14:18
E eu acho que fazes muito bem!
beijo
De Teresa a 1 de Junho de 2008 às 16:05
O bispo já me respondeu!
Devemos dirigir-nos à Caritas de Setúbal (caritas.setubal@mail.telepac.pt), Projecto Pontes de Esperança, e a ajuda mínima é de dez euros mensais. Gastamos tanto dinheiro mal gasto!

Beijo Ana, obrigada por me teres dado esta linda ideia!
De Teresa a 1 de Junho de 2008 às 14:46
Pronto, já escrevi a Sua Excelência Reverendíssima... :)

Agora é só esperar...
De psb a 1 de Junho de 2008 às 17:05
Ana
Já há alguns anos que tinha ouvido falar nestas iniciativas e a reacção inicial foi a de aderir e apadrinhar à distância quem me calhasse na rifa. Fiquei pelo pensamento, pois não fiz nada de concreto para o materializar. Mea culpa. O raio da inércia e das supostas preocupações(zinhas) do dia-a-dia desfocam-nos muitas vezes das coisas simples e tão fáceis que poderíamos fazer pelos outros. Ainda bem que trouxeste este assunto para aqui e agora. Já dei andamento ao mail para o Bispo. Darei depois o feed back do 6º afilhado(a) que Deus me der em sorte.
Um beijo e obrigado por nos lembrares a sermos, de facto, uns pelos outros.
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 17:12
Que bom, Pedro. Quem sabe se não arranjamos aqui no Porta do Vento uma mão cheia de afilhados? Se isso acontecer, fico muito contente. Depois hei-de pôr aqui as fotografias deles, fica desde já prometido.
Um beijo, padrinho.
De Meg (Sub Rosa) a 1 de Junho de 2008 às 18:39
Parabéns, querida
Total e absoluta razão!
Aqui no Brasil, o dia da Criança é no 15 de outubro, mas nada impede que se faça algo, por pelo menos uma criança od sias em que se puder.
Deixo-te um carinhoso beijo
M.
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 19:15
Outro para ti, miúda.
Cuida-te.
De O Réprobo a 1 de Junho de 2008 às 19:09
Querida Ana,
claro que a Causa é óptima e a organização religiosa pode minorar preocupações com o destino dos contributos, conhecidas as notícias de apropriação ilegítima de aitoridades nacionais de Países Africanos e outras ONUS.
Parabéns pela Preocupação e pela concretização dela.
Beijinho
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 20:35
Já que tenho que me render aos "dias de", que detesto, ao menos que a rendição sirva para qualquer coisa de útil...
Beijo
De fugidia a 1 de Junho de 2008 às 21:44
Um beijinho de parabéns, querida Ana, pela iniciativa.
Às vezes não é preciso muito para ajudarmos muito, para fazermos a diferença.

Uma boa semana
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 22:28
Não tenho mérito nenhum nesta iniciativa, Fugidia, limito-me a dar-lhe algum destaque e a colaborar como posso. Não custa nada e é útil a alguém. Já estou à espera de saber o nome do meu (ou minha) afilhado(a) em São Tomé.

Um beijinho e boa semana
De mariav a 1 de Junho de 2008 às 22:05
Ora até que enfim que vejo alguma coisa de jeito sobre crianças no "Dia da Criança". Bela ideia!
Obrigada
Beijo
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 22:23
Olá, prima. Também achei a ideia óptima, e entretanto já soube que é de confiança.
beijinho
De mike a 1 de Junho de 2008 às 23:16
Louvável, Ana. Acho que vou dizer... não há muitas pessoas que saibam, mas eu tenho uma afilhada em São Paulo. :)
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 23:23
E porque será que isso não me espanta nem um bocadinho, Mike? :)
Ainda bem que disse, é um estímulo para outros que queiram fazer o mesmo.
Bom regresso da Inbicta!
De SC a 1 de Junho de 2008 às 23:30
Que iniciativa magnífica! Parabéns.
Vou também informar-me.
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 23:56
Boa, SC! Mais um afilhado, que bom...
Beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds