Sábado, 31 de Maio de 2008

Poemas escolhidos - 2

  

 

Esculpo a página a lápis

e um cheiro de bosque

então me aparece.

Que a poesia é feita de romãs

daquilo que é eterno

e de tudo o que apodrece.

 

Neide Archanjo, in “Da Poesia”

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 11:29
link do post
16 comentários:
De O Réprobo a 31 de Maio de 2008 às 22:21
E explosiva de sensibilidades, como a granada a que o fruto referido é assimilado.
Beijinho
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 12:10
Não me lembraria dessa associação, Paulo. Mas é uma boa analogia, sim.
Beijinho
De pedro a 1 de Junho de 2008 às 07:11
E o que eu adoro romãs!
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 12:08
Também gosto. Lembram-me o Dia de Reis, quando era miúda. Mas acho-as mais bonitas do que saborosas, confesso.
De pedro a 1 de Junho de 2008 às 18:41
Sim, até porque aqueles caroços não dão com nada! Mas cá em casa também se comem no dia de Reis e há sempre postas na mesa de Natal. Uma amiga minha é que faz uma compota, que parece ser deliciosa, com romãs. Se não estou em erro, a receita foi tirada da última edição do Pantagruel. A que tenho é mais antiga e não a consigo encontrar...
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 18:51
Não te sabia cozinheiro, Pedro!
De rei pedro a 2 de Junho de 2008 às 00:26
Bem, não serei a melhor pessoa para dizer que sim, mas posso afirmar que lá em casa sempre se cozinhou sempre muito bem!
De Rita Ferro a 1 de Junho de 2008 às 12:51
A mim lembram-me sempre as da Maluda, na casa de jantar da Isabel!
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 13:28
Também me lembrei disso ontem, quando as vi lá.
De Meg (Sub Rosa) a 1 de Junho de 2008 às 18:43
Uma das "santas" de minha devoção.
Merece ser homenageada e conhecida ainda mais.


És maravilhosa.
Um beijo
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 18:50
Ela é que é maravilhosa, Meggy. Tem poemas lindos. Claro que merece toda a divulgação.

Beijo, querida.
(já lá vou fazer-te uma visita)
De mike a 1 de Junho de 2008 às 23:18
Esta poesia é mais acessível. :)
E a frase de que mais gostei foi a que fala de romãs. :) :)
De Ana Vidal a 1 de Junho de 2008 às 23:33
É a mesma que fala da própria poesia... estamos a progredir, não há dúvida! :))
Escrever assim, com tanta clareza e significado, parece fácil mas não é. É o mais difícil, aliás.

(Mike, proponho-lhe um exercício engraçado: vá escolhendo sempre uma frase de cada poema que eu puser aqui, aquela que lhe diz mais, e guarde-as. No fim veremos o que dá. Boa?)

De mike a 1 de Junho de 2008 às 23:52
Combinado. Cá me parece que é capaz de dar salada de frutas... (risos)
De Ana Vidal a 2 de Junho de 2008 às 00:04
Romãs já temos, pelo menos...
;) O resto logo se verá, mas acho que vai dar uma boa sobremesa.
lol
De psb a 2 de Junho de 2008 às 09:25
Ana
Para além de gostar de romãs (acho um fruto muito sensual) gostei particularmente do lápis a esculpir a folha de papel...
Beijos

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds