Quarta-feira, 14 de Novembro de 2007

Amor # Paixão (2)

O amor é um cruzeiro no Mediterrâneo.
A paixão é uma estadia na faixa de Gaza.
(Joaquin Sabina - Contigo)

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 15:25
link do post
18 comentários:
De rv a 16 de Novembro de 2007 às 01:15
Sorry, Prima. Não era minha intenção desgraçar as metáforas de ninguém, até por que estou a gostar imenso do baile!
Beijo
Rosarinho
De av a 15 de Novembro de 2007 às 15:24
Júlia e Pedro,
Respondi no Amor # Paixão 3, aos dois. O baile continua lá.
Beijinhos
De JuliaML a 15 de Novembro de 2007 às 12:34
a rotina mata o que quer que seja.

E as coisas pela metade enquadram-se no que chamamos AMOR?

para mim,não

abraços
De Huckleberry Friend a 15 de Novembro de 2007 às 12:29
Se por "durar toda a vida" entendermos uma harmonia estática e sem mutações, então é mesmo utopia... porque a rotina pode matar a paixão. E o amor rotineiro... bah!

Mas talvez não seja utópico, querida blogmistress Ana, acreditar na harmonia a muuuuuuuito longo prazo se a encararmos como algo dinâmico, que tem altos e baixos, que por vezes se esconde, mas que temos de saber reinventar (mais do que repetir). Ou é?
De Sofia a 15 de Novembro de 2007 às 11:35
Mais uma pouco adepta dos cruzeiros... Mas sim de um 'love boat' particular, perdido no meio do oceano, aportando aqui e ali... e é claro que isso implica épocas de tormenta e de tempestade, que bem se podem assemelhar à faixa de Gaza.

A paixão são as viagens novas, os novos portos, a novidade, a mudança e o prazer que isso dá!

Se pudermos ter os dois lados: o navegar calmo do amor e formos capazes de levantar as ondas da paixão... melhor! E não, não é utopia!

beijinhos
De JuliaML a 15 de Novembro de 2007 às 01:47
também acho que não, até porque não concebo um sem o outro.

Pronto, já disse tudo :-)
De av a 15 de Novembro de 2007 às 01:44
Bem vinda, Adelaide. Já tinha sentido a sua falta.
Um beijo também para vc.
De av a 15 de Novembro de 2007 às 01:42
Acho que não é utopia, é perfeitamente possível e é fantástico. Utopia é acreditar que essa harmonia vai durar toda a vida...
De JuliaML a 15 de Novembro de 2007 às 01:38
bem dito!

...embora qualquer esolha que se faça provocará tormento, porque é escolha e presume sempre gostar-se das duas partes. As duas juntas não serão o ideal? ou é utopia?

à bientôt
De adelaide amorim a 15 de Novembro de 2007 às 01:24
Nada tão radical, Ana. Nem cruzeiros com animadores nem faixas de Gaza com terrenos minados. Barcos pequenos, por favor, e a paz possível para as circunstâncias... ;) Beijo pra você.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds