Quinta-feira, 20 de Março de 2008

Jardim da Preta

Domingo passado, depois do almoço. Subi as escadas do largo do Palácio da Vila, invadido de turistas e famílias portuguesas em passeio. Diriji-me ao guarda de serviço, que olhava o quadro à sua volta com um enfado evidente.

- Boa tarde. O Jardim da Preta está aberto? Posso lá ir?
- Fazer o quê? (O enfado anterior pareceu-me ter passado a ódio. Por mim.)
- Passear, claro. Não posso?
- Não, não pode. O Jardim está fechado há muito tempo, para restauro. (Fantasia minha, ou esta frase de proibição causou-lhe verdadeiro prazer?)
- E quando volta a abrir ao público?
- Não sei. Mas não vai ser tão depressa, está tudo parado.
- Oh, que pena! Não pode abrir-me a porta, só para matar saudades e tirar uma fotografia?
- Não. Não tenho autorização.
Assunto arrumado, portanto. Comecei a afastar-me, triste pela decepção e irritada com tanta antipatia explícita. Fiquei a olhar a porta fechada e o muro branco, tentando divisar alguma coisa do outro lado. Como se tivesse visão raio-x, sei lá. Quando era criança e brincava ali dentro, acreditava nisso e em muito mais. E foi então que alguém me tocou no braço.
- A senhora quer entrar no Jardim da Preta, porquê? (A rapariga fardada tinha um sorriso franco, parecia realmente interessada em dar-me uma alegria. Que diferença do outro!)
- Porque tenho saudades e já não vou lá há muitos anos. E gostava de tirar uma fotografia ao tanque da Preta, só isso. Pode abrir-me a porta, só por um bocadinho? Juro que não demoro. (A esperança renascia em mim, naquele momento, com a força da notícia de uma vitória no euromilhões.)
- Eu não posso, mas acho que está com sorte. Aquele senhor ali (apontava-me um homem de bigode, a um canto) é o encarregado da obra do Jardim. Hoje apareceu por cá e é ele que tem a chave. Peça-lhe, talvez ele deixe. (O tom cúmplice comoveu-me).
Agradeci-lhe e voei para o homem do bigode, com o meu melhor sorriso. Demorei um bocadinho a convencê-lo de que não era uma jornalista a espiolhar incúrias camarárias. Por fim, depois de fazer-me um curto mas cirúrgico inquérito, destinado a confirmar se eu conhecia, como dizia, cada recanto do Jardim (passei com distinção: conheço-o a palmo e de olhos fechados) deu-me a maior alegria que podia dar-me - abriu a porta, trancada com uma velha chave de ferro (Abre-te, Sésamo!) e deu-me passagem para o mundo encantado, mágico e imutável, que é sempre o mundo da nossa infância.
Entrei com lágrimas nos olhos e passos tímidos, como se fosse violar um sacrário. Fiquei por ali um bocado, invadida por uma comoção tão forte que me fazia passar a mão pelos canteiros, pelo tanque, pelas figuras de estuque, esboroado pelo tempo e pelo desleixo de quem devia cuidá-las. Tudo aquilo a precisar de restauro urgente, de facto. "Mas não há verba, minha senhora, é um dó. Isto vai tudo desaparecer". O homem do bigode percebera que eu estava em transe e deixava-me vaguear por ali. Mal o ouvia, nas suas queixas mais do que justificadas contra um poder que nega a recuperação de um património mundial. Ou de um património emocional, como eu o sentia naquele momento. O imponente castelo reflectido na água esverdeada, o grande leão de pedra, a criada preta debruçada no tanque da roupa, o galante fidalgo que a olha, embevecido e apaixonado... e, enfim, todas as infindáveis histórias que a minha imaginação fértil de criança inventou um dia para aquelas figuras, tudo me puxava para uma dimensão mítica, difusa, uma espécie de paraíso perdido.
- Agora tenho mesmo que fechar a porta, minha senhora. Vamos?
Obedeci-lhe, claro. Nem sei há quanto tempo estava ali, obrigando o pobre homem a esperar por mim. Ainda fiz, à pressa, estas fotografias, que não fazem justiça à magia daquele lugar. Agradeci-lhe mais uma vez, ainda comovida. E fui dar um beijo repenicado à rapariga sorridente que me proporcionara todo este luxo (o Jardim da Preta, só para mim!), que ficou a sorrir ainda mais. Se não tivesse vergonha de fazer essas coisas, teria metido uma nota no bolso da farda azul escura, discretamente. Mas não consigo fazê-lo em nenhuma circunstância, tenho sempre medo de ofender o destinatário. Sei que eu me ofenderia, se alguém me fizesse isso. Portanto, disse-lhe só um "obrigada", em voz trémula. E fui passear, feliz.
publicado por Ana Vidal às 00:23
link do post
18 comentários:
De av a 22 de Março de 2008 às 22:57
AC,
então estamos quites: eu também já me comovi com textos seus, meu amigo.
Um beijo
De AC a 21 de Março de 2008 às 21:17
Que lindo texto! Acabei eu tb feliz e comovido. Um beijo
De av a 21 de Março de 2008 às 19:47
Obrigada, Samuel.
De samuel a 21 de Março de 2008 às 18:00
Bela estória!
De av a 20 de Março de 2008 às 19:29
Querida Luísa,
Vá lá, conte-nos o resto... agora fiquei com vontade de saber o final, porque não me lembro dessa história.
Obrigada pelas suas palavras. E as minhas fotografias são pouco interessantes, tiradas com o telemóvel e por uma naba nessas artes.
Um beijinho

Cora,
Que bom te ver por aqui. Sei que és amiga da Meg e da Teresa, e... os amigos dos meus amigos, meus amigos são! Ainda bem que gostou de passear comigo por Sintra e fico à espera de passear contigo lá no Brasil!
Volta sempre.
Um beijo

Júlia,
Pois são, minha amiga, pois são. Estas figuras de estuque em tamanho natural são muito bonitas e originais, do séc. XVII, e estão a ficar completamente estragadas. Uma pena.
Um beijo

João Paulo,
Antecipaste a Páscoa? Só tu.
Tem cuidado com o que dizes sobre burkas e explosivos no Eldorado, olha o Bin Laden e as suas ameaças aos hereges ocidentais...
Um beijo

Boa Páscoa a todos.
De João Paulo Cardoso a 20 de Março de 2008 às 18:36
Deixei comentário no teu 500º post.

Beijos.
De João Paulo Cardoso a 20 de Março de 2008 às 18:24
É só para dizer que já é Páscoa no "Eldorado".

Beijos.
De Júlia Moura Lopes a 20 de Março de 2008 às 17:45
são uns criminosos...

Que emoção este post, Ana!...

beijinho
De cora a 20 de Março de 2008 às 16:54
Que grata surpresa, querida AV que tanto reconheço dos comentários na Gota. Achei de vir no momento certo, pelo visto. Emocionou-me o teu relato, muitíssimo mesmo. Lembrei de algumas visitas que às vezes faço aos "meus lugares" de infância e como me dói o descuido na preservação deles. Tens o dom de partilhar com as palavras certas o que sentes, pois o sentimento tá cá reflectido... bem no fundinho do meu peito. Obrigada pelo passeio pelo Jardim da Preta, como foi e como está, só não te coloco uma nota de dez reais no bolso porque aí mesmo é que te ofendias, já que o nosso dinheirinho brasuca já num vale nada (rsrsrs--> esta foi só pra brincar!) bjs.
De Luísa a 20 de Março de 2008 às 16:18
Aí está, minha cara AV, o que faz tão interessantes as suas fotografias: uma belíssima história. Lembraram-me, também, de um dos contos da minha infância, «As três nozes», em que… estava a criada preta a lavar roupa no tanque e a mirar-se no espelho das águas, quando…

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds