Quinta-feira, 22 de Maio de 2008

Romantismo ao rubro

Estou a ponderar seriamente esta proposta. É difícil imaginar um local mais adequado para um casamento romântico, por isso a tentação é grande. Tem, além disso, a vantagem de poupar no vestido de noiva (estão pela hora da morte...): neste caso, a tradicional liga será o suficiente.

 

Mas tenho que me despachar porque as inscrições são limitadas, e imagino que haverá uma corrida a esta catedral para um casório inesquecível. Afinal, o nosso Santo António nunca foi tão longe na sua vocação. A lua de mel, presumo, será em Amsterdam ou em Pigalle.

 

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 12:46
link do post
26 comentários:
De mike a 22 de Maio de 2008 às 13:45
Ana, espero que o noivo esteja de acordo consigo quanto a local, claro. Acredito que sim, que o remate "a tradicional liga será o suficiente", também deverá ser suficiente para o convencer. Se não for, esqueça o rapaz que não augura nada de bom. E não se iluda com as aparências de alguns bonitões. Se é para ser romântico, então que seja em Pigalle. Se o moço franzir o sobrolho ao perguntar "porquê Paigaile", então, Ana, não preciso de dizer mais nada, certo?

p.s. - rebolei-me a rir com a parte da frase que diz "faça aqui o matrimónio" (e para de rebolar? bem que tento...)
De Ana Vidal a 22 de Maio de 2008 às 15:23
LOL. Não precisa mesmo, Mike. Noivo que não aprecie "Pigaile" e "Montemartre" não me serve, por muito bonitão que seja.
De mike a 22 de Maio de 2008 às 13:46
... quanto ao local... e parar de rebolar.
De rocha a 22 de Maio de 2008 às 14:06
aconselhe-te vivamente a ires de encarnado ( the bride in red) .....vais buscar ás cortinas e cochins...............
tua rocha
De Ana Vidal a 22 de Maio de 2008 às 15:18
Olha, olha, quem ela é!!!!!!!!!!
Bem-vinda à blogosfera, bela! Tás aqui tás a ir buscar também um blog...

(quanto ao conselho, é precioso. The bride in red will be, para "condezer" com a decoração red velvet da catedral)
beijos
De O Réprobo a 22 de Maio de 2008 às 16:44
E, Querida Ana, já pensou nos benefícios de facto fiscais? Com a curiosidade que o -fisco demonstra pela autoria das doações e dos pagamentos das bodas e adereços, este estabelecimento, na fronteira das actividades huuuum de lazer não-tributadas, pode trazer muita poupança!

Passei por lá,nos meus tempos de tropa. Estava tão decadentezinho que metia dó.
Beijinho
De Ana Vidal a 22 de Maio de 2008 às 20:09
Pois continua decadentezinho de fazer dó, meu amigo. O que não quer dizer que não tenha o seu charme... indiscreto, no caso. Actividades não tributadas? Por enquanto, por enquanto. Deixe que a ASAE se lembre de fiscalizar o...hummmm... lazer, e verá.
De Teresa a 22 de Maio de 2008 às 17:35
Fui uma única vez ao Maxime, era bem novinha... e não te vou dizer com quem - não mencionemos o excremento, como dizia o Alencar...

Beijoca.
De Ana Vidal a 22 de Maio de 2008 às 17:52
Pois... o inominável, compreendo.
LOL
Mas olha, não deve ter mudado muito desde aí. O Maxime, I mean. Ou melhor, ambos...

Sabes que no outro dia te levei o Daninos mas esqueci-me e ficou no carro? O costume. Dou-to no nosso almoço no terraço, azarado por tanta chuva.

beijo
De Teresa a 22 de Maio de 2008 às 19:24
Pois... Esta questão tem tanto de embaraçosa como de cómica... É que nenhuma de nós fica bem vista!

O almoço! Quando é, afinal? Já tenho facas corta-papel para os restantes membros da confraria que ainda não foram agraciados (a Rosarinho e a Sofia).

Sabes que ando há três dias com Moustaki na cabeça? Aliás acho que vou pôr uma música dele na Gota. Só para destronar a que lá está agora, e que é intolerável... Mas era por uma boa causa...
De Cristina Ribeiro a 22 de Maio de 2008 às 19:01
Ana, aceita o trabalho (não é de Hércules, prometo :) ) que lhe "atribuo lá no «Estado» ?
De Ana Vidal a 22 de Maio de 2008 às 19:19
Já lá fui espreitar, Cristina, e claro que aceito com muito gosto. Só estou à espera da explicação, porque ainda não sei bem do que se trata.
De Cristina Ribeiro a 22 de Maio de 2008 às 19:14
Será que vai haver uma iniciativa idêntica por aqui no S. João?
Se houver vou ter de perder duas ou três noites a pensar nas vantagens todas de que fala...; sempre tenho mais uns diazinhos para dormir sobre o assunto, do que a Ana :)
De Ana Vidal a 22 de Maio de 2008 às 19:21
Eu já mandei fazer a liga, minha amiga. Encarnada, claro.
:)
De Cristina Ribeiro a 22 de Maio de 2008 às 19:33
Ana desculpe, não me fiz entender ( a Júlia diz o mesmo :) ) - é a confissão de seis dos nossos " ódios de estimação" . Obrigada.
De Ana Vidal a 22 de Maio de 2008 às 19:40
Ah, muito bem. Vou pensar nisso, prometo.
De tcl a 22 de Maio de 2008 às 19:52
Lol! casar outra vez ana? mas a fazê-lo parece-me muito bem esta ideia do maxime. a quadrinha é divinal, matrimónio a rimar com santo antónio casamenteiro é, de facto, bem diferente e original! a coisa promete. será que oferecem o noivo ou quem se inscreve tem de levar um?
De Ana Vidal a 22 de Maio de 2008 às 19:58
Não tinha pensado nisso, TCl, mas se o noivo faz parte do pacote, então não se pode dizer que seja caro... ou melhor, pensando bem cheira-me que mais tarde há-de sair caríssimo!!
Ná, pelo sim pelo não levo um escolhido por mim. Sempre é menos arriscado e o Santo já tem muito que fazer, coitado.
De mariav a 22 de Maio de 2008 às 20:41
Independentemente do local ou do pormenor da liga, se pudesse ser com um dos rapazes do post anterior, acho que ainda pensava nisso. Acham que o Jude (Law) pode, no dia 13?
... Hey Jude, will you be available...?
De Ana Vidal a 22 de Maio de 2008 às 23:41
For you I'm allways available, dear MaryV.
Marry you at Maxime is a lifetime dream!

Jude

(Olha, o rapazinho já respondeu...)
De mariav a 23 de Maio de 2008 às 00:05
LOOOL!
O que a prima não faz para me ver feliz, hein?
Se voltares a estar com o Jude, "send him my love", will you? Thank you. See you at Maxime, right?
De Ana Vidal a 23 de Maio de 2008 às 00:13
Right. Tu com o Judinho, eu com o Jorze.
;)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds