Sábado, 17 de Maio de 2008

Hipocondria


 

DOENTE SEM FRONTEIRAS

 

Acordo na ressaca do Castilium, apalermado de dores de cabeça e extenuado das cólicas nocturnas do Gutalax. Tropeço, meio zonzo, até à casa de banho. Bombardeio a retrete numa escatologia devastadora que, finalmente, me liberta dos despojos da véspera. Engulo duas Aspirinas em jejum e desço cambaleante para o pequeno-almoço, ansioso por um choque vitamínico de Centrum que engulo com sofreguidão, juntamente com um Goronsan. No pé, uma coceira imensa irrompe de supetão, impedindo-me de raciocinar. Os dermatófitos massacram-me os entrestícios à beira da telangiectasia. Corro a encharcar-me em creme Pevisione. Pelo caminho descubro que a afta da véspera continua em ebulição. Dou-lhe com Bocagel. Já mais acordado, meto uma de Zarator para o colestrol e tenho a sensação fantástica da absorção calma dos lípidos pela acção da atorvastatina. Está na hora do Relmus e do Voltaren na descontracção do torcicolo que me arrasa vai para três dias. Nesta altura começo a sentir uma ligeira claustrofobia que, por sistema, me ataca pelas 11h da manhã. Corro para a rua, onde de imediato entro em agarofobia. Mesmo assim prefiro do que a apeirofobia da véspera, safa! Regresso a casa cozido com as paredes e sento-me para meio Victan, só para acalmar o pânico. Não dá para exagerar por causa do Prozac que ando a devorar. A úlcera duodenal manifesta-se na abstinência de Omeprazol. Enfio dois, pelo sim, pelo não. Chega o almoço e vem a dose do costume: Asacol e Dicetel, acompanhados a mousse de chocolate. A meio da tarde vai um Cialis para dar mais potência à intenção. A cabeça entra a latejar impenitente. É dia de enxaqueca. O apelo ao Migraleve é irresistível. Jantar normal apenas com suplemento mineral à base de fósforo, ferro e magnésio. Meia-noite. Deito-me com o sabor amargo do Castilium. Ainda bem que sou saudável!

 

Um texto fantástico de Jorge Pinheiro

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 16:01
link do post
5 comentários:
De Leonor a 18 de Maio de 2008 às 00:04
Dekicioso, o texto, não fosse o malvado Castilium :-)
De Leonor a 18 de Maio de 2008 às 00:06
delicioso
De Ana Vidal a 18 de Maio de 2008 às 01:25
Muito bom mesmo, Leonor.
:)
De psb a 19 de Maio de 2008 às 23:41
Esta viagem hipocondríaca está fabulosa e, apesar de caricatural, deve estar próxima de muitas realidades, infelizmente para elas. Beijinho
De Ana Vidal a 20 de Maio de 2008 às 00:58
É a chamada "trip".
LOL

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds