Quarta-feira, 14 de Maio de 2008

Sou eu?

 

Pedem-me a Júlia e a Sofia que me defina em seis palavras. Assim, trigo limpo, como se fosse fácil. Junto-lhes mais algumas, porque sou indisciplinada por natureza (outra definição possível). E uso o truque de desdobrá-las em outras tantas, aumentando assim as probabilidades de engano...

  • secreta, ainda que exposta
  • curiosa, ainda que distraída
  • optimista, ainda que (razoavelmente) realista
  • individualista, ainda que solidária
  • apaixonada, ainda que independente
  • entusiasta, ainda que preguiçosa
  • cumpridora, ainda que desorganizada
  • pacífica, ainda que irredutível *
  • sonhadora, ainda que lúcida
  • orgulhosa, ainda que capaz de reconhecer um erro e pedir desculpa

* (em questões que envolvam valores essenciais)

 

Constato que acabei de definir duas personalidades e não uma. E não serão as únicas que tenho, com toda a certeza. Descubro-me contraditória, e por isso me resumo afinal numa única palavra: mutante

 

Das regras faz parte escolher uma imagem que eu ache que me define, ou pelo menos com que me identifique. Escolhi esta (roubada, comme d'habitude, ao fantástico Zoo), que me pareceu adequada. 

 

E das regras faz parte, também, passar o desafio a outros 5 bloggers. Uma vez mais vou subvertê-las e fazer uma coisa diferente: passo-o a 5 bloggers - MariaV, Alf, Miguel, Espumante e TCL- e a 3 dos meus comentadores, que (ainda?) não têm blog próprio: PSB, Manecas e Rita Ferro. Podem deixar as vossas respostas na caixa de comentários, que eu depois publico-as em post.

 

E pronto, esta lebre já está corrida...

 

publicado por Ana Vidal às 19:13
link do post
30 comentários:
De Cristina Ribeiro a 14 de Maio de 2008 às 20:07
Só para constatar que , na verdade, o português não combina com regras :) ; ainda não vi uma resposta que cumprisse todos os requisitos : quando pensei que o Mike estava a conseguir, estragou o soneto ao passar o testemunho à Emmanuelle :)
Continuação, Ana.
De Ana Vidal a 14 de Maio de 2008 às 20:22
Tem razão, Cristina! LOL. Também ainda não vi nenhuma que não inventasse uma variante. O Mike passou o testemunho a estranhos bloggers, não foi só a Miss Tofu...
Um beijinho
De mike a 14 de Maio de 2008 às 22:50
Ora Cristina, eu cumpri com as regras e passei o testemunho. E devo dizer que a Emmanuelle Béart me respondeu mas para o email... estava era um bocado chateada com a Ana por causa daquele àparte do tofu. ;)
De Ana Vidal a 15 de Maio de 2008 às 00:09
Ora, ora, isso são amuos de estrela, Mike. E a Miss Tofu não se pode queixar muito, que se ela fosse carnívora talvez eu lhe chamasse antes... Miss Piggy!
De mike a 15 de Maio de 2008 às 00:31
(gargalhada)
De tcl a 14 de Maio de 2008 às 20:09
que querida... que rico presente... estou lixada... deixando-me de reticências, tens razão. não gosto muito destaas coisas, mas vou pensar no teu caso, sem promessas, vale?

bjs
De Ana Vidal a 14 de Maio de 2008 às 20:19
É o chamado presente envenenado...
Sem promessas, vale.
beijo
De Júlia a 14 de Maio de 2008 às 20:52
gostei da infracção!! eheheh

que presente envenenado? é bonito nós conhecermo-nos.

gostei de saber que és distraida,não me sinto tão só :-)

beijinho
De Ana Vidal a 14 de Maio de 2008 às 21:17
Júlia, eu sou a pessoa mais distraída do mundo!
Tanto, que me vim embora sem pôr os teus livros no correio... mas prometo enviar-tos para a semana.

Beijinho
De mike a 14 de Maio de 2008 às 22:54
Isso assim não vale! Em que é que ficamos?
De Ana Vidal a 14 de Maio de 2008 às 23:49
LOL. À la carte, Mike.
De Alf a 14 de Maio de 2008 às 23:50
Ora, então, quer a menina que eu me conte em seis palavras.

Abraço. Abraço os filhos, abraço quem amo, abraço os amigos, abraço a vida.

Inconstante. Mudo. Mudo muito. Mudo sem consciência. Mudo de repente.

Graça. Graça de não conseguir não achar graça ainda que a coisas sem graça.

Prazer. Ou prazeres. Sou de prazeres, de coisas boas. Coisas de todos os sentidos. Toco, saboreio, cheiro, ouço e vejo. Bem, graças a Deus.

Dado. Dado de jogo. Sorte ou azar. Mas vou a jogo. Dado de me dar. Com sorte ou azar.

Pai. Fica para último mas define-me bem. Sou Pai. Sempre com maiúscula. Pai de quem concebi e mais do que isso. Pai das coisas que faço. Crio-as e assumo-as. Rio com elas, choro com elas. Cuido.

Fica sem imagem porque por aqui não dá. Mas fica bem.

Fica bem.

Um beijo. Melhor, um abraço.
De Ana Vidal a 15 de Maio de 2008 às 00:00
Que bem respondido, Alf ! Quem fica bem és tu, nesta fotografia.
Mas tu tens blog, podias ter posto lá... deixa, vais para a minha galeria de notáveis, no post que vou fazer com a tua e outras respostas.

Um abraço. Melhor, um beijo.
De Alf a 15 de Maio de 2008 às 00:12
Quem sabe não dá um post no Bom Jardim? É que é bem possível!

De Ana Vidal a 15 de Maio de 2008 às 00:17
Ora, nem mais! Era essa a ideia...
De Alf a 15 de Maio de 2008 às 23:55
Já está reproduzido em forma de post, Ana.

Beijo
De rita ferro a 14 de Maio de 2008 às 23:56
Impetuosa
Volúvel
escarninha
Imponderada
Exuberante
Melancólica
De Ana Vidal a 15 de Maio de 2008 às 00:03
Isso é que é poder de síntese e disciplina, caramba! Deste-me um bigode, não há dúvida...

beijos
De Manecas a 15 de Maio de 2008 às 09:21
Tu metes-me em cada uma...!!! E eu que nem sequer sou letrado...Mas também levas troco, já vais ver...

Amigo, para sempre.
Optimista, mas tem dias...
Organizado/Estruturado, mas às vezes dá para ser chato!
Ouvinte, obstinado pelo que me atrai e distraído tacticamente pelo trivial.
Doação, como modo de estar na vida
Pai, com extensão para avô...

Ontem quando li a correr esta tua prosa, fiquei com a ideia (talvez pelo Zoo em itálico e colorido...) que querias que a plateia te definisse a ti, associando-te a animais. E como tens de levar algum troco por este teste projectivo que nos impões (é prova para o desvendar do paraíso onde estás?), aqui fica a minha selecção (no trajecto matinal pensei na vingança...)

Borboleta, pela liberdade de quem cria.
Cavalo, pela beleza interior e exterior, e pela nobreza de carácter
Gaivota, pela serenidade/melancolia do teu olhar imenso (ai, o mar...)

Prova superada?
Beijinhos daqui para aí...
De Ana Vidal a 15 de Maio de 2008 às 10:52
Essa de não seres letrado tem a sua graça, Manecas. Mas tenho que explicar-te que o Zoo é o extraordinário blog do meu amigo JG, por isso está a itálico e com cor. LOL, achaste que eu estava apedir que me comparassem a um animal? Olha, ainda bem que não percebeste o que era, porque gostei desse cruzamento de borboleta/cavalo/gaivota com que me classificas,..
Beijinhos, prova superadíssima!

PS: O teu Bruce tem-me feito companhia por aqui, de vez em quando.
De Manecas a 15 de Maio de 2008 às 12:05
Fui ao Zoo e tenho de agradecer-te o encaminhamento.
A fotografia deste dia 15 de Maio (hoje faz anos o meu filho Miguel - 24) comoveu-me...
É espantosa!!!
E faz-me lembrar uns dias em que estive em Angola...Fica para o próximo almoço, prometo.
Muitos beijinhos, e se vires uma gaivota por aí a planar...Que preguiça tão suave...!!!

PS - Deixa por aí uns acordes do "We shall overcome ". Gostas?
De OnceinaWhile a 15 de Maio de 2008 às 10:23
Gostei Querida Ana .. acima de tudo do "sim" e do seu "quase" oposto, o que além das cores escolhidas para cada palavra diz muito sobre a forma como se vê :)
identifico-me imediatamente no "irredutível" ;)
Beijinho
De Ana Vidal a 15 de Maio de 2008 às 10:55
Sou tudo isto e muito mais, Once. E acho que todos nós temos muitas facetas, como seres pensantes que somos, não é?
Beijinho
De Sofia a 15 de Maio de 2008 às 11:49
A batota não é muito grande, eu também te tinha desafiado lá no cais!

Mas sim senhora, boa definição...

beijinhos
De Ana Vidal a 15 de Maio de 2008 às 11:59
Olha, não dei por isso! Mas vou já acrescentar o teu convite.
Beijo
De O Réprobo a 15 de Maio de 2008 às 14:45
Odeio é aquele parêntese que segue uma das adversativas e põe um travão à Ana como eu A vejo.
Fora os Parênteses!
Beijinho
De Ana Vidal a 15 de Maio de 2008 às 15:02
Muito bem, Paulo, fora os parênteses então. Antes esses que os parentes, que fazem falta!
Bjs

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds