Quarta-feira, 7 de Maio de 2008

Os bois pelos nomes



"Angola is a country run by criminals".

Bob Geldof

Não há dúvida: gosto das pessoas que chamam os bois pelos nomes.

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 23:25
link do post
18 comentários:
De Cristina Ribeiro a 8 de Maio de 2008 às 00:35
Que o Mundo o oiça!
De Ana Vidal a 8 de Maio de 2008 às 10:15
Acho que vai ouvindo, Cristina. Devagarinho, mas vai. Acho muito importante que estas figuras internacionais não façam parte de lobbies políticos, e sejam livres para dizerem exactamente o que pensam. E parece ser o caso de Bob Geldof, que inventou uma maneira inteligente e eficaz de matar a fome a muita gente, com os concertos de solidariedade. Assim cheguem as ajudas aos que realmente precisam delas.
De Rita Ferro a 8 de Maio de 2008 às 01:35

Lembrou-me o Miguel Sousa Tavares numa entrevista recente, dizendo que, à conta do seu jeep, já conheceu Portugal de lés a lés. E acrescentou qualquer assim: «Menos a Madeira, que me recuso a visitar por não ser um país democrático.»
De Ana Vidal a 8 de Maio de 2008 às 10:11
Começa por nem sequer ser um país... um país não viveria à conta dos subsídios de outro, para fazer brilharetes. Mas percebo o que ele quer dizer.
De OnceinaWhile a 8 de Maio de 2008 às 09:38
Por cá já o sabíamos.
Convivemos com as histórias mais horríveis perpetuadas pelos "criminosos" apontados. Mas ainda assim, recebemo-los com honras de chefes de qualquer a coisa, com direito a palmadas nas costas e iguarias na mesa que matariam a fome de quem matam à fome.
É a diplomacia .. dizem.

De Ana Vidal a 8 de Maio de 2008 às 10:01
Talvez por a diplomacia ter uma boa dose de hipocrisia (e de sapos para engolir...) eu teria a maior dificuldade em ser diplomata de carreira. Neste caso, por exemplo, em que estamos perante gente da pior qualidade humana que pode existir, mascarada de... democrata. Bolas para as luvas de pelica!
De OnceinaWhile a 8 de Maio de 2008 às 15:02
nem eu Querida Ana .. se há "coisa" com a qual não conseguiria conviver seria com a minha consciência .. pesada.
Beijinho
De Mike a 8 de Maio de 2008 às 20:16
Pois... mas primeiro é preciso tê-la ;)
De O Réprobo a 8 de Maio de 2008 às 14:47
E mais vale tarde do que nunca, não é, Ana?
Beijinho
De Ana Vidal a 8 de Maio de 2008 às 21:11
A denúncia, Paulo? Toda a gente sabe que é verdade, acontece que poucos têm a coragem de dizê-lo publicamente. Por isso aplaudo quando alguém o faz, sobretudo se é uma voz ouvida por muitos.
De Júlia a 8 de Maio de 2008 às 19:17
ele continua a ser um icone, Ana!

beijinho
De Ana Vidal a 8 de Maio de 2008 às 21:11
Pois é, Júlia.
Beijinho
De Luísa a 8 de Maio de 2008 às 19:26
Faço minhas as suas palavras, Ana. Há infelizmente, demasiados países assim, entregues a «criminosos». De que somos, pelas razões dominantes da economia, tristemente cúmplices.
De Ana Vidal a 8 de Maio de 2008 às 21:15
Sobretudo os mais ricos, Luísa, que são também os mais apetecidos, claro. Angola é um exemplo extremo disso mesmo: é um país rico de mais para ter alguma vez paz, ou uma economia sem corrupção...
De Mike a 8 de Maio de 2008 às 20:19
Pena que a seguir a chamarem-se os bois pelos nomes, vozes de burro não cheguem ao céu. Como a minha (apenas), que junto à vossa.
De Ana Vidal a 8 de Maio de 2008 às 21:18
Raramente chegam, é verdade. Mas, já que estamos em maré de provérbios, também é verdade que "água mole em pedra dura...". As nossas vozes de burro podem não chegar ao céu, mas talvez vão fazendo algum barulho na Terra. Quem sabe?
De Mike a 8 de Maio de 2008 às 22:34
:)
De tcl a 10 de Maio de 2008 às 00:16
Ainda hoje ouvia na telefonia alguém dizer que um país africano onde haja petróleo dificilmente se livra da corrupção. A única dúvida que se me pôs foi se o adjectivo "africano" fazia realmente falta na frase

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds