Quarta-feira, 7 de Maio de 2008

Um beijo atlântico

Um mimo prometido, para o meu amigo Ricardo Ramos Filho.
Welcome back, Milord. Um beijo!






"...Guitarras e sanfonas

Jasmins, coqueiros, fontes

Sardinhas, mandioca

num suave azulejo

E o rio Amazonas

que corre em Trás-os-Montes

e numa pororoca

desagua no Tejo..."


(Chico Buarque de Hollanda)


publicado por Ana Vidal às 19:27
link do post
6 comentários:
De Cristina Ribeiro a 7 de Maio de 2008 às 20:16
É o Pantanal? Seja o que for, é lindo, e então com a voz, de fundo, do Chico...
Beijinho
De Ana Vidal a 7 de Maio de 2008 às 22:22
É mesmo o Amazonas, Cristina.
Beijinho
De MANECAS a 7 de Maio de 2008 às 23:15
O Chico Buarque é realmente admirável nas letras de musicas que conseguem retratar os gestos populares do quotidiano na simplicidade das figuras de referencia.

Quase que vemos a gorda a bater no tacho com feijão ao som do samba, o bêbado cambaleante com a garrafa de cachaça na mão e a boca húmida de tanto beber, a prostituta mais uma vez usada sem amor

Enfim obrigado pela tua ideia...

beijões
De Ana Vidal a 7 de Maio de 2008 às 23:28
É verdade tudo isso, Manecas, as letras do Chico Buarque são geniais.
Mas o Brasil é também muito mais do que essas figuras populares, e este carinho que deixei aqui é para um amigo escritor, sensível e sofisticado.

Eu é que te agradeço o presente de hoje e a visita inesperada. Ainda não tive tempo de ouvir o disco, mas amanhã prometo dar-lhe toda a atenção que merece. E já sei que vou adorar!

Um beijo
De O Réprobo a 7 de Maio de 2008 às 23:17
O revisionismo hidrográfico está de gritos e aproxima, realmente, Querida Ana.
Beijinho
De Ana Vidal a 7 de Maio de 2008 às 23:23
Também acho que aproxima, Paulo, e escolhi esta música exactamente por essa razão.
beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds