Quarta-feira, 7 de Maio de 2008

Minha Pátria é a Língua Portuguesa


MANIFESTO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA

CONTRA O ACORDO ORTOGRÁFICO

(Ao abrigo do disposto nos Artigos n.os 52.º da Constituição da República Portuguesa, 247.º a 249.º do Regimento da Assembleia da República, 1.º n.º. 1, 2.º n.º 1, 4.º, 5.º, 6.º e seguintes da Lei que regula o exercício do Direito de Petição)

 

Ex.mo Senhor Presidente da República Portuguesa
Ex.mo Senhor Presidente da Assembleia da República Portuguesa

Ex.mo Senhor Primeiro-Ministro

 

1 – O uso oral e escrito da língua portuguesa degradou-se a um ponto de aviltamento inaceitável, porque fere irremediavelmente a nossa identidade multissecular e o riquíssimo legado civilizacional e histórico que recebemos e nos cumpre transmitir aos vindouros. Por culpa dos que a falam e escrevem, em particular os meios de comunicação social; mas ao Estado incumbem as maiores responsabilidades porque desagregou o sistema educacional, hoje sem qualidade, nomeadamente impondo programas da disciplina de Português nos graus básico e secundário sem valor científico nem pedagógico e desprezando o valor da História.

Se queremos um Portugal condigno no difícil mundo de hoje, impõe-se que para o seu desenvolvimento sob todos os aspectos se ponha termo a esta situação com a maior urgência e lucidez.

 

2 – A agravar esta situação, sob o falso pretexto pedagógico de que a simplificação e uniformização linguística favoreceriam o combate ao analfabetismo (o que é historicamente errado) e estreitariam os laços culturais (nada o demonstra), lançou-se o chamado Acordo Ortográfico, pretendendo impor uma reforma da maneira de escrever mal concebida, desconchavada, sem critério de rigor, e nas suas prescrições atentatória da essência da língua e do nosso modelo de cultura. Reforma não só desnecessária mas perniciosa e de custos financeiros não calculados. Quando o que se impunha era recompor essa herança e enriquecê-la, atendendo ao princípio da diversidade, um dos vectores da União Europeia.

Lamenta-se que as entidades que assim se arrogam autoridade para manipular a língua (sem que para tal gozem de legitimidade ou tenham competência) não tenham ponderado cuidadosamente os pareceres científicos e técnicos, como, por exemplo, o do Prof. Doutor Óscar Lopes, e avancem atabalhoadamente sem consultar escritores, cientistas, historiadores e organizações de criação cultural e investigação científica. Não há uma instituição única que possa substituir-se a toda esta comunidade, e só ampla discussão pública poderia justificar a aprovação de orientações a sugerir aos povos de língua portuguesa.

 

3 – O Ministério da Educação, porque organiza os diferentes graus de ensino, adopta programas das matérias, forma os professores, não pode limitar-se a aceitar injunções sem legitimidade, baseadas em "acordos" mais do que contestáveis. Tem de assumir uma posição clara de respeito pelas correntes de pensamento que representam a continuidade de um património de tanto valor e para ele contribuam com o progresso da língua dentro dos padrões da lógica, da instrumentalidade e do bom gosto. Sem delongas deve repor o estudo da literatura portuguesa na sua dignidade formativa.

O Ministério da Cultura pode facilitar os encontros de escritores, linguistas, historiadores e outros criadores de cultura, e o trabalho de reflexão crítica e construtiva no sentido da maior eficácia instrumental e do aperfeiçoamento formal.

 

4 – O texto do chamado Acordo sofre de inúmeras imprecisões, erros e ambiguidades – não tem condições para servir de base a qualquer proposta normativa.

É inaceitável a supressão da acentuação, bem como das impropriamente chamadas consoantes "mudas" – muitas das quais se lêem ou têm valor etimológico indispensável à boa compreensão das palavras.

Não faz sentido o carácter facultativo que no texto do Acordo se prevê em numerosos casos, gerando-se a confusão.
Convém que se estudem regras claras para a integração das palavras de outras línguas dos PALOP, de Timor e de outras zonas do mundo onde se fala o Português, na grafia da língua portuguesa.

A transcrição de palavras de outras línguas e a sua eventual adaptação ao português devem fazer-se segundo as normas científicas internacionais (caso do árabe, por exemplo).

Recusamos deixar-nos enredar em jogos de interesses, que nada leva a crer de proveito para a língua portuguesa. Para o desenvolvimento civilizacional por que os nossos povos anseiam é imperativa a formação de ampla base cultural (e não apenas a erradicação do analfabetismo), solidamente assente na herança que nos coube e construída segundo as linhas mestras do pensamento científico e dos valores da cidadania.

Os signatários,


Ana Isabel Buescu

António Emiliano

António Lobo Xavier

Eduardo Lourenço

Helena Buescu

Jorge Morais Barbosa

José Pacheco Pereira

José da Silva Peneda

Laura Bulger

Luís Fagundes Duarte

Maria Alzira Seixo

Mário Cláudio

Miguel Veiga

Paulo Teixeira Pinto

Raul Miguel Rosado Fernandes

Vasco Graça Moura

Vítor Manuel Aguiar e Silva

Vitorino Barbosa de Magalhães Godinho

Zita Seabra

...

 

Espero e acredito sinceramente que esta não será apenas mais uma iniciativa contra o Acordo Ortográfico, mas sim a iniciativa que irá conseguir reunir apoios suficientes para dar uma prova definitiva de como existe um sentimento generalizado contra esta mudança que nos querem impor. Mais do que uma simples contestação, é a defesa da nossa identidade que nos move, e, quando assim é, haverá causa mais nobre?

 

Convido-vos a juntar a vossa voz a esta causa em Manifesto em Defesa da Língua Portuguesa contra o Acordo Ortográfico, pois todos não seremos demais.


Adenda: Não resisto a citar aqui Vergílio Ferreira, tão a propósito:


"Uma língua é o lugar donde se vê o Mundo e em que se traçam os limites do nosso pensar e sentir.


Da minha língua vê-se o mar.”


publicado por Ana Vidal às 00:01
link do post
20 comentários:
De Mike a 7 de Maio de 2008 às 00:02
Não, Ana. De momento não vislumbro causa mais nobre.
De Ana Vidal a 7 de Maio de 2008 às 00:20
Se quiser aderir também ao movimento, Mike, eu mando-lhe o texto por mail para postar.
Vou já tratar disso.
De psb a 7 de Maio de 2008 às 00:14
Ana
Já lá postei a minha assinatura (3.600). Neste momento, melhor, naquele momento, já estava perto de 11.500, visto que as adesões chovem em catadupa a cada minuto que passa. Mas ainda somos poucos... Fico sempre na expectativa dos resultados destas petições.
Um Beijo
De Ana Vidal a 7 de Maio de 2008 às 00:18
Eu também já assinei há algum tempo, Pedro. Mas este post foi um movimento colectivo entre bloggers, a que adiro com muito gosto por estar completamente de acordo com... o desacordo sobre o acordo!
Beijo
De Teresa a 7 de Maio de 2008 às 00:23
Querida Ana,
Estamos na linha da frente da barricada.
Esta é a ditosa Pátria nossa amada, esta é a mágica língua que tão imperfeitamente falamos... mas da qual queremos ser dignos.
Grande beijo.
De Ana Vidal a 7 de Maio de 2008 às 00:31
Nem mais, Teresa.
E apetece-me citar aquela belíssima frase de Vergílio Ferreira:

“Uma língua é o lugar donde se vê o Mundo e em que se traçam os limites do nosso pensar e sentir.
Da minha língua vê-se o mar.”

Beijinhos
De O Réprobo a 7 de Maio de 2008 às 00:27
Já lá estou.
Beijinho
De rita ferro a 7 de Maio de 2008 às 02:15
Bravo, Ana! Rejubilei ao assinar o meu desAcordo através do teu blog! Até enviei mail em separado oferecendo-me para subscrever o Manifesto e arriscando-me a ombrear com tantos e tão excelsos signatários! Ainda hesitei, pois - tu conheces-me - nas minhas esgrimas escatológicas por esses sofás urbanos, um brasileiro me ameaçou aos gritos: «Você sabe a que se arrisca estando contra, minina ? A que a gente, que somos bem mais numerosos, passemos a chamar nossa língua di brasileiro em vez di português, entende???» Se eu entendo? Claro que entendo! É até o tipo de contingência que nos entala porque o CONTRA é cultural e o A FAVOR é político. MAS PARA CEDER A CHANTAGENS JÁ NOS BASTAM OS GOVERNOS, NÃO É??? Abraço armado (de lápis, canetas e teclados!) da resistência lusíada!
De Ana Vidal a 7 de Maio de 2008 às 18:57
LOL... Rita, eu não duvidava de que te juntarias a este movimento!
E, sabes uma coisa? Conheço muitos brasileiros que estão tão contra este acordo como nós, portugueses. É um arranjo político, como dizes, não há qualquer lógica cultural que justifique a sua defesa...
Gosto das nossas armas - lápis, canetas e teclados. Pacíficas, sem dúvida, mas também eficazes!

Abraço armado!
De Cristina Ribeiro a 7 de Maio de 2008 às 03:15
Que bom saber que, ao contrário do que apregoam muitos agoirentos, não é só o futebol que nos une à volta duma ideia; faz-nos acreditar que ainda há esperança.
De Ana Vidal a 7 de Maio de 2008 às 18:50
Sabe que não tinha pensado nisso, Cristina? Tem toda a razão, ainda há Causas que nos fazem reagir, e isso é muito bom!
De MANECAS a 7 de Maio de 2008 às 10:26
Assinei e divulguei por todos os contactos!
Bem hajas!
Um beijinho!
De Ana Vidal a 7 de Maio de 2008 às 18:49
Assim é que é, Manecas!
Um beijo.
De Anónimo a 7 de Maio de 2008 às 14:44
Já está!

beijinho meu
De Ana Vidal a 7 de Maio de 2008 às 18:48
Beijinho, Carla.
De carla mar a 7 de Maio de 2008 às 14:46
aqui em baixo sou eu.
De Anónimo a 8 de Maio de 2008 às 09:06
Respeito a posição mas não subscrevo. Não concordo e penso que não estou a atentar contra a língua portuguesa. Pelo contrário. Acho que os argumentos que agora apresentam também teriam cabimento aquando da Reforma Ortográfica de 1911. Pessoalmente, tanto se me dá escrever "prompto" (grafia anterior a 1911) como pronto, "proscripto" (grafia anterior a 1911) como proscrito, "Egipto" como Egito. Mais a mais não acredito na nossa multissecular identidade. Se já não somos capazes de mudar, então estamos mortos ou pelo menos demasiado velhos e cansados para mudar. Prefiro correr riscos.
Estrelícia Esse
P.S.: Assumo a posição e não quero aparecer anonimamente como da última vez. Des(acordo) aparte, obrigada pelo café.
Beijo
De Ana Vidal a 8 de Maio de 2008 às 09:57
Estrelicia, é da diversidade de opiniões que se faz um grupo de amigos interessante!
E neste caso, como eu já disse, também comecei por ter a sua opinião. Depois mudei - porque, realmente, não sou nada avessa à mudança.
Um beijinho e volte sempre.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds