Sexta-feira, 2 de Maio de 2008

Mundo de Aventuras

Uma pequena aldeia na planície arménia,

nevoeiro matinal no porto de Dieppe.

O silvar agudo nos cimos dos Cárpatos,

um castelo solitário num lago escocês.

Um junco chinês no mar do Japão,

um trilho de camelos na Rota da Seda.

Um catre vazio no mosteiro da Arrábida,

uma via romana na serra do Gerês.

Uma mesa de cozinha e odores de Outono,

um eucaliptal onde brinco com o Avô.

O último número da revista tão esperada,

despojos da infância que se me acabou.

 

Ricardo António Alves (Sintra, 21 de Março de 2001)


(Nota à margem - A fotografia aérea é espantosa, e vale a pena reparar bem nela: os camelos são as pequenas manchas claras, o que se vê - a negro - são as suas sombras)

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 21:03
link do post
12 comentários:
De Patti a 2 de Maio de 2008 às 21:32
Já conhecia esta foto, acho que ganhou até um prémio, tamanha é a ilusão que nos leva a crer que as figuras negras são os camelos e não as suas sombras.
De Ana Vidal a 2 de Maio de 2008 às 22:17
É fantástica mesmo. Não sabia que tinha ganho um prémio, mas não tenho dúvidas de que o mereceu.
De RAA a 3 de Maio de 2008 às 02:52
Vizinha, apanhou-me de surpresa...
Um abraço!
De Ana Vidal a 3 de Maio de 2008 às 11:03
Gostei imenso deste seu poema, vizinho. Vai daí...
Abraço
De bandida a 3 de Maio de 2008 às 03:10
aqui pela mão da musqueteira... a apreciar imenso.
De Ana Vidal a 3 de Maio de 2008 às 11:04
Seja muito bem-vinda.
Volte sempre.
De O Réprobo a 3 de Maio de 2008 às 11:43
Querida Ana,
Grande Autor, magnificamente servido pela imagem, de facto notável. Tomo com um miminho, dado ter confessado ontem, em resposta a um problema posto pela Ana, a minha condição mehariste.
Beijinho
De Ana Vidal a 3 de Maio de 2008 às 12:01
LOL. Que ideia, Paulo!! As suas associações de ideias são perigosas... então acha que o considero um camelo??? Nem me lembrei dos comentários que refere, quando escolhi esta fotografia.
De Anónimo a 3 de Maio de 2008 às 12:18
Estive por uns tempos num retiro, em meditação. Muitas coisas, entretanto, aconteceram por aqui. Não conhecia este poema do RAA. Gostei. O mundo visto assim é, de facto, uma poética aventura.
Não cantei os parabéns no dia , mas não quero excluir-me da festa: Feliz Aniversário!
(Não devia vir porque não trago prenda mas o vício do café é muito forte!).
De Ana Vidal a 3 de Maio de 2008 às 17:14
Obrigada, Anónimo. E não precisa de trazer nada, aqui os presentes são as visitas dos amigos! Ainda bem que lhe sabe bem o café.
De fugidia a 3 de Maio de 2008 às 17:42
Belo poema.
A foto é extraordinária!
(, por acaso, lembrei-me do nosso amigo... mentira... )

Beijos aos dois.
De Ana Vidal a 3 de Maio de 2008 às 18:52
Olá, Fugidia. É mesmo.
Um beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds