Segunda-feira, 21 de Abril de 2008

Até amanhã

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 01:32
link do post
9 comentários:
De carla mar a 21 de Abril de 2008 às 10:35
Bom dia :)

Parabéns, pela nova porta!
Um beijinho.
De Ana Vidal a 21 de Abril de 2008 às 11:02
Obrigada, Carla.
Outro.
De Hugo Jorge a 21 de Abril de 2008 às 17:20
gostei muito da sugestão musical. aproveito para convidar a visitar o meu blog
De Ana Vidal a 21 de Abril de 2008 às 17:51
Obrigada, passarei por lá.
De fugidia a 21 de Abril de 2008 às 17:44
Até amanhã!
De O Réprobo a 21 de Abril de 2008 às 18:50
Espero que a excelente musiquinha não esteja a legitimar um dia sabático à Segunda-Feira! Seria, mais do que um contra-senso, uma inclemência!
Beijinho apreensivo, Querida Ana
De Ana Vidal a 21 de Abril de 2008 às 20:57
É o que dá habituar mal as visitas da casa...
O dia sabático será à terça, meu amigo. Amanhã vou logo de manhã cedo para o Porto e só volto à noitinha. Deixo outra musiquinha para vos fazer companhia, e espero que gostem também.
Beijinho
De O Réprobo a 21 de Abril de 2008 às 23:08
E isso faz-se?
Não há um portatilzinho wireless para ir postando no comboio?
Beijo
De Ana Vidal a 21 de Abril de 2008 às 23:20
Por acaso até levo o portátil, mas há 2 óbices: primeiro, vou de carro e não de comboio. Não serei eu a conduzir mas mesmo assim não dá muito jeito, convenhamos; segundo, já não caio nessa. Na última vez que fui de comboio levei o computador para ir trabalhando pelo caminho, e cheguei ao Porto com uma enxaqueca de tal ordem que tive que tomar dois comprimidos que me deixaram meia zombie! Imagine o rendimento do dia... Conclusão: computadores e transportes trepidantes não se conjugam, no meu caso.
Veja a coisa pelo lado bom: olhe se eu fizesse outra vez um post a falar dos meus gostos pré-históricos...
Um beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds