Sábado, 26 de Janeiro de 2008

Sabes o que é um estereograma?


Desafiada por um amigo com a pergunta "Sabes o que é um estereograma?" embrenhei-me, intrigada, pelo estranho mundo do trompe l'oeil que reina aqui neste site. Lá estão os ditos estereogramas, para todos os gostos, provocando-nos com a seguinte frase sobre cada imagem: Stare at the picture below. Can you see the hidden image?
Obedientemente, fixei o quadro à minha frente, no écran do computador. Nada, nenhuma revelação. Mas eu tinha sido avisada: "Tens que esperar um bocadinho e ter paciência. Mas vale a pena, porque, quando conseguires ver, é um espectáculo!" Por isso me dispus a esperar, com os olhos presos às difusas manchas coloridas que teimavam em não se transformar em nenhuma espécie de hidden image. Esperei. Nada. Esperei mais, experimentando novas formas de olhar aquilo: de mais longe, de mais perto, fixando os olhos no centro do rectângulo, nos cantos, semicerrando os olhos, etc. Nada. Tentei quase todos os estereogramas (há uma longa lista à escolha, de todas as cores e com vários temas). Nada. Só manchas, às vezes com um ou outro boneco irritante a um dos cantos ou uma fila de figurinhas em baixo ou em cima, e um emaranhado de teias de aranha no meio.
Já exasperada, fui procurar explicações para a minha cegueira funcional quanto a estereogramas. E encontrei-as, para minha frustração: "Pessoas com problemas de convergência ocular não conseguem ver as imagens". Lembrei-me do meu saudoso oftalmologista e amigo da minha mãe, o querido Dr. Sousa e Faro (era igual ao actor David Niven, a ponto de lhe pedirem autógrafos, na rua), que me diagnosticou esse problema desde muito cedo: "A miúda tem um problema de focagem, nada de especial. Isto corrige-se, com paciência e uns óculos apropriados". Ora eu nunca tive paciência para tratamentos nem quis usar os tais óculos, por isso continuo a ter o mesmíssimo problema de convergência, que nunca me atrapalhou a vida e apenas me impede de centrar devidamente figuras e objectos no campo visual (por exemplo em fotografias, quando me sai, na revelação, a pessoa que estava ao lado da que queria fotografar...).
Tudo isto para te dizer, P., que agradeço a dica mas nunca cheguei à sensação fantástica que me descreveste. Os céus ou os meus genes presentearam-me com um ouvido absoluto mas, em compensação, negaram-me os prazeres ópticos dos estereogramas. Paciência. Se eu quiser ver imagens que não estão ao alcance dos meus olhos, tenho uma boa solução: fecho-os e recorro à imaginação e ao sonho, que, felizmente, nunca me faltaram. Costumo dizer que, se fechar os olhos, até o mar vejo.
Mas deixo aqui a dica, para todos os que têm olhos normais. Vão lá espreitar e digam-me o que acharam, está bem? Só para me fazer inveja. Aproveitem...
Nota: O estereograma acima chama-se "Horse". A quem descobrir um cavalo no meio deste caos de minhocas, desejo um belo e orgástico momento.

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 19:29
link do post
17 comentários:
De Huckleberry Friend a 29 de Janeiro de 2008 às 19:21
Alguns são muito giros (este não), mas a orgásticos duvido que cheguem... aqui há uns anos, o Público distribuiu alguns e só ao quarto ou ao quinto é que consegui ver alguma coisa. Giro, giro, é ver alguém a tentar ver um estereograma! Beijos e abraços.
De Sofia a 29 de Janeiro de 2008 às 14:38
Isto não é para loiras... estou a ver... ou melhor, não vejo nada!

beijinhos
De av a 29 de Janeiro de 2008 às 01:26
Join the club, T.
Quem sabe se um dia seremos "tocadas pela graça"?
De T a 28 de Janeiro de 2008 às 23:58
Ia enfiando era a caneta nos olhos.
Ná, não vi nada.
Junto-me ao grupo das meninas sem cavalos!
De av a 28 de Janeiro de 2008 às 23:10
E eu só vejo as meninas a aprender, mas não vejo os cavalos a correr... bolas!
De tcl a 28 de Janeiro de 2008 às 22:15
já estava a pensar que também tinha o tal problema mas com o truque do lápis, a coisa funciona mesmo... vê-se a imagem em 3D. bem giro, sim senhora!
De av a 28 de Janeiro de 2008 às 19:18
LOOOOOOOL!

Um cavalo deficiente?
Pedro, assim precisas de um milagre...
De MA a 28 de Janeiro de 2008 às 19:12
Vi uma parede ao fundo e o cavalo em 3D. Só consigo com o truque da caneta, quando a retiro o cavalo desaparece.
Mas é um cavalo com defeito uma grande cauda e quase que não tem patas...

:(
De av a 28 de Janeiro de 2008 às 14:20
Pois eu... nada! :(

AQ, ainda bem que VISTE A LUZ!!!
(Já podes criar uma seita, Pedro. As conversões começaram...)
De African Queen a 28 de Janeiro de 2008 às 13:09
Obrigada pelas instruções :)! Estou mais feliz... afinal não sou pitosga :) EU VI!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds