Domingo, 9 de Dezembro de 2007

Fecha-te, Sésamo.



Lá chegou ao fim a versão alfacinha do Ali Bábá e os 40 ladrões. Enquanto desarmam a barraca e emalam a trouxa para zarpar (literalmente, no caso da criatura líbia), os nossos ilustres anfitriões esfregam as mãos de contentes, por tanto êxito alcançado com esta brilhante ideia. E por terem feito triunfar a diplomacia sobre a barbárie tradicional. Porque será que não me convencem?
Enfim, acabou a farsa. Na melhor nódoa cai o pano.
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 20:32
link do post
3 comentários:
De Capitão-Mor a 12 de Dezembro de 2007 às 18:20
Apesar de uma certa importância do evento, não entendo porque é que Portugal teve que arcar com as despesas todas destes meninos...
De av a 10 de Dezembro de 2007 às 16:54
Não consigo arranjar-lhe outra classificação, Leonor...
;)
De leonor a 10 de Dezembro de 2007 às 09:51
Gosto da "criatura líbia", da expressão, bem entendido :-)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds