Quarta-feira, 11 de Julho de 2007

Confiança cega


Post de DJ no Bar Velho, que aqui transcrevo por me parecer fundamental divulgar estes atentados à nossa privacidade, cometidos por quem devia defendê-la mais do que ninguém - os bancos. Os call-center são soluções baratas, eu sei, que poupam nos funcionários contratados, eu sei, mas é absolutamente inadmissível este diálogo numa instituição que se preze.



«Conversas reais

Conversa real estabelecida entre mim e a linha do Millennium BCP esta tarde:
- Millennium BCP, muito boa tarde, em que posso ser útil?
- Gostaria de activar o Tele MB para a TMN, sff.

- Estou a falar com o Sr. X?

- Sim.

- Está a falar com Y. Como está?

- Bem obrigado. Como está?

- Bem obrigado. Quer activar o Tele MB, certo?

- Certo.

- Qual é a rede a que quer associar o serviço?

- TMN.

- Qual é o número em causa?

- 96 xxx xx xx.

- Quais são os quatro dígitos do seu telecódigo?

- Desculpe?

- Qual é o seu telecódigo?

- Mas porque quer saber isso?

- Tem que mos dizer para poder activar o serviço.

- Desculpe, mas quer saber o meu código? Acha mesmo que alguém no seu perfeito juízo vai dar um código que permite realizar operações bancárias, a uma pessoa que não se conhece de lado nenhum?

- O senhor não me conhece, mas pode confiar em mim.

- Eu? Desculpe lá, nós estudámos juntos, vamos para os copos, ou algo parecido? Eu nem sei se você é loira, se é morena, quanto mais se é de confiança.

- Mas o senhor não tem confiança no Millennium?

- Se quer que lhe responda com sinceridade, não.

- Então porque tem cá o dinheiro?

- Dá jeito para receber transferências, dado muita gente e muitas instituições terem conta no Millennium.

- Mas não confia no banco?

- Não.

- Mas em mim pode confiar. Você pode não me conhecer, mas sou de confiança.

- A senhora não vê televisão? Toda a gente aconselha a não dar os códigos a desconhecidos. E mesmo que ninguém dissesse isso, alguém com o mínimo de juízo e bom senso saberia que não se deve dar os códigos a desconhecidos. Por acaso quer que lhe diga os meus códigos dos meus cartões e os códigos de acesso a esta linha?

- Não! Não! Isso é muito diferente!

- Então posso ou não posso confiar em si?

- Pode confiar em mim. Sou funcionária do banco, sou de confiança.

- Minha senhora, em 385 chamadas que já fiz para esta linha, 380 acabaram com uma reclamação minha. Acha que posso confiar em si?

- Em mim pode, não posso responder pelos outros.
- Espero que já tenha entendido que não lhe vou dar o meu telecódigo.

- Não compreendo porque não confia em mim...

- Quero falar com o supervisor, sff.

- Mas porquê? Está a duvidar de mim?
- Minha senhora, não tenho que duvidar ou deixar de duvidar de si. Não dou um algarismo que seja a pessoas que não conheço de lado nenhum.
- Por favor, peço-lhe que não me ofenda. Pode confiar em mim e no banco.

- Passe-me ao supervisor, sff.

Chamada passada ao supervisor. A mesma ladainha. Chamada desligada por falta de paciência e de confiança no Millennium e nas suas pessoas, com a especialidade de, na chamada com o supervisor, este ter dito que nos conhecíamos porque tinha resolvido um problema meu há quatro meses atrás e que eu tinha motivos para confiar.»
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 12:56
link do post
5 comentários:
De av a 11 de Julho de 2007 às 23:10
É inexplicável, de facto. Parece um texto cómico, mas não é.

ana
De Lord Broken Pottery a 11 de Julho de 2007 às 16:18
Ana,
Incrível! Trabalho em banco e nunca soube de operação que exigisse ao cliente fornecer códigos de acesso. Absurdo!
Beijo
De av a 11 de Julho de 2007 às 14:23
é, estamos a andar para trás a toda a velocidade...
De Mad a 11 de Julho de 2007 às 14:08
(desculpa, pus o mesmo comentário duas vezes)
De Mad a 11 de Julho de 2007 às 14:06
Incrível! Pensei que era só aqui no Brasil que as pessoas achavam perfeitamente normal dar a pessoas que não conhecem o código dos cartões, pessoas essas que os roubam indecentemente!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds