Domingo, 16 de Dezembro de 2007

Discurso histórico

A selar o famoso Tratado que engalanou Lisboa e levou o primeiro ministro a orgasmos múltiplos de eloquência e protagonimo, aqui fica o comentário do correspondente da BBC, Mark Doyle, em Lisboa:
«The Summit ended, as do most meetings of this sort, with smiling photocalls. The Portuguese Prime Minister, Jose Socrates, gave an extraordinary closing speech which spoke about bridges being built, steps forward being taken, and visions being pursued.
He went off on such an oratorical flight, in fact, that I became mesmerised by the beauty of the Portuguese language and the elegance of his delivery. I was so bewitched that I didn't register any concrete points in the speech at all.
Perhaps there weren't any. But it certainly sounded good».
Acho que está tudo dito. Ninguém como os ingleses para apanhar os ridículos dos outros. O pior é quando não exageram.
Nota: Obrigada ao Manel, que me enviou o texto (que está entre aspas) por e-mail.

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 12:19
link do post
4 comentários:
De av a 21 de Dezembro de 2007 às 09:35
GL,
Seja bem vindo.
Não sei quem ficará mais tempo no poder mas esse critério não é lá muito fiável para classificar um governante, ou teríamos que considerar que todos os ditadores tiveram sempre a confiança inquestionável das suas nações.

Já agora: o seu perfil não está acessível, o que é estranho em alguém que divulga a sua própria fotografia. Gostava de saber quem é, ou qual é o seu blog, mas não consegui. Mera curiosidade, normal para com um novo comentador.
De GL a 20 de Dezembro de 2007 às 14:39
Ridículo mesmo são os ingleses não se fazerem representar na assinatura do Tratado. É mesmo um império que lida mal com a sua decadência.

Vamos ver quem fica mais tempo no poder, se Sócrates ou Brown. Vamos ver quem tem mais a confiança da sua nação.
De sem-se-ver a 17 de Dezembro de 2007 às 00:50
levei pro meu tasco :)
De sem-se-ver a 17 de Dezembro de 2007 às 00:35
muito muito bom! :D

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds