Sexta-feira, 29 de Junho de 2007

O N que falta


Mais um N, senhor comendador, e teria nome de gente.
Não salto à liça para defender Mega Ferreira porque também não tenho particular simpatia por ele, e também porque ele não precisa das minhas defesas para nada. Mas o que quero dizer é que o senhor comendador, desde que tomou o país de assalto, todos os dias nos reserva algumas surpresas. Por causa de umas bandeiras não penduradas, acabou por pendurar nos paus-de-bandeira do CCB um cesto inteiro de roupa suja - ou mal lavada - em público. Não sei quem tinha razão nem é isso que está em causa. O que sublinho aqui é a falta de... tudo, que o senhor comendador revelou com a peixeirada que fez.
Nessa simples letrinha N, que alguém se esqueceu de acrescentar ao seu nome quando o registou, devem ter ficado a educação, a humildade, a discrição, enfim, a Nobreza que um verdadeiro mecenas das artes deve ter. Para si, o N só deve querer dizer Negócio. E para isso cá estamos nós todos, senhor comendador.

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 15:47
link do post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds