Segunda-feira, 31 de Março de 2008

O pior de nós

Recebi este texto de um amigo, por e-mail, com o pedido de divulgá-lo pelos meus contactos. Melhor do que isso é pô-lo aqui, o que faço com muito gosto. Fiz alguma pesquisa para confirmar a veracidade desta história inacreditável, e parece que é mesmo verdadeira. Por incrível que pareça, um espírito doente lembrou-se de chamar Arte a esta cruel aberração. E, pior do que isso, alguém (com responsabilidades neste sector) lhe deu cobertura. Pela segunda vez, ainda por cima.
«Como muitos devem saber e até ter protestado, em 2007, Guillermo Vargas Habacuc, um suposto artista, acolheu um cão abandonado de rua, atou-o a uma corda curtíssima na parede de uma galeria de arte e ali o deixou, a morrer lentamente de fome e sede. Durante vários dias, tanto o autor de semelhante crueldade, como os visitantes da galeria de arte, presenciaram impassíveis a agonia do pobre animal. Até que ele finalmente morreu, seguramente depois de ter passado por um doloroso, absurdo e incompreensível calvário.

Parece-lhe forte? Pois ainda não é tudo: a prestigiada Bienal Centroamericana de Arte decidiu, incompreensivelmente, que a selvageria que acabava de ser cometida por tal sujeito era Arte, e deste modo tão absurdo Guillermo Vargas Habacuc foi convidado a repetir a sua cruel acção na dita Bienal em 2008. Facto que podemos tentar impedir, colaborando com a assinatura nesta petição:
http://www.petitiononline.com/13031953/petition.html
(não tem que pagar nem registar-se para assinar a petição) para que este homem não seja felicitado nem chamado de 'artista' por tão cruel acto, por semelhante insensibilidade e desfrute com a dor alheia.»

Nota minha: Por outras fotografias que encontrei na net pode ver-se a indiferença com que os visitantes da galeria reagiram a esta "experiência". Ninguém se lembrou, ao que parece, de tirar dali o cão, de levar-lhe comida ou, pelo menos, de perguntar qual seria o seu destino. Por cima do animal, na parede, há frases escritas... com ração! A natureza humana não pára nunca de me surpreender.
Eu já assinei a petição, claro.
publicado por Ana Vidal às 23:21
link do post
24 comentários:
De av a 5 de Abril de 2008 às 11:09
Não é bem aqui ao lado, miúda. Mas se quiseres dar um saltinho às Honduras (a Bienal é lá) quando voltares ao Brasil, acho que podes bater-lhe por todos nós.
De Mad a 5 de Abril de 2008 às 04:14
Não dá para acreditar que isto aconteça aqui mesmo ao lado!!! Já assinei, claro. Será que chega, ou é melhor ir lá e bater no filho da puta?
De av a 4 de Abril de 2008 às 23:40
Am.ma, seja bem-vinda. Obrigada pelo contributo para esclarecer este assunto.
Volte sempre.
De am.ma a 2 de Abril de 2008 às 17:20
Vim aqui ter através do Zoo.
Obrigada pela divulgação desta indignidade, é preciso mesmo impedir aquela criatura maquiavélica de expor as suas ideias sádicas e insanas onde quer que seja. Dá volta ao estômago ver as fotografias do bicho, no meio da indiferença (quase) geral. Aquele olhar digno, para além do sofrimento - acho que não vou conseguir tirar esta imagem da cabeça tão cedo.
Embora a petição não refira a intenção de repetição da "proeza", encontrei a notícia on line na España Liberal, com data de 9 Março 2008. A petição data de Setembro do ano passado e já vai quase com 1 700 000 assinaturas.
Não resisti a fazer também um postal no meu blogue, para divulgar esta situação.
E em relação à nossa falta de "tempo" para ajudar os outros, acho que aqui o importante é que - a nenhum de nós passaria pela cabeça, alguma vez, fazer uma coisa semelhante - e que - repudiamos veementemente a actividade daquele energúmeno - e ainda que - gostaríamos que ele não pudesse expor, nunca mais, em mais lado nenhum!
De tcl a 2 de Abril de 2008 às 00:19
já tinha visto isto quando aconteceu. não posso acreditar no que dizes. convidaram o animal para fazer o mesmo outra vez? ao que chegou a loucura... vou assinar, claro, espero que sirva para alguma coisa
De Júlia Moura Lopes a 1 de Abril de 2008 às 23:57
isto já dura há uns meses...

o mundo está louco...
De av a 1 de Abril de 2008 às 22:02
Este mundo é mais do que estas misérias, JP. Felizmente ainda há gente que compensa isto e que me faz manter a fé na espécie, apesar de tudo. Mas concordo contigo: essa das malaguetas era bem feita...

O que eu reparo é que toda a gente, menos eu, sabia disto desde a primeira vez. Eu só soube agora.

Bjs
De João Paulo Cardoso a 1 de Abril de 2008 às 19:46
Agora que já me tinha esquecido deste Guillermo e das suas "atrocidades artísticas", lá vamos nós para mais do mesmo, como é possível?

Se há gente que deveria ser torturada pelas FARC com malaguetas incandescentes rabo acima, era este ranhoso filho da puta.

Estou cansado deste mundo...

Beijos.
De Anónimo a 1 de Abril de 2008 às 18:50
Já assinei a petição contra esta triste, cruel e revoltante realidade.

Penso que a Ana terá razão, e não passará de um golpe publicitário do " artista", ou da galeria.

Não teriam coragem de repetir a " façanha", depois de tudo o que aconteceu no ano passado.


MA
De av a 1 de Abril de 2008 às 17:39
Já tinha pensado nisso: não será esta uma manobra publicitária muito bem urdida, do "artista" ou da própria Bienal? Quem sabe? Publicidade garantida, a uma escala impensável de outro modo. É a velha máxima de que mais vale que se diga mal do que se ignore. Seja como for, embora de uma perversidade sem limites, serve pelo menos para abanar as nossas consciências, e já é qualquer coisa...

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds