Sábado, 2 de Fevereiro de 2008

Keep it simple

Para hoje, um clássico eterno: Love, de John Lennon.

Para quê complicar o que é simples?

Love is real, real is love

Love is feeling, feeling love

Love is wanting to be loved

Love is touch, touch is love

Love is reaching, reaching love

Love is asking to be loved

Love is you, you and me

Love is knowing we can be

Love is free, free is love

Love is living, living love

Love is needing to be loved

(Nota: Uma sugestão musical encontrada nesta especialista em Beatles.)

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 18:15
link do post
2 comentários:
De Huckleberry Friend a 6 de Fevereiro de 2008 às 13:47
Uma pergunta que faço muitas vezes a outros, mas ainda mais vezes ao espelho. Que quando surge partido não me deixa ver a mesma imagem de mim. Talvez voltar-lhe costas e ouvir antes o Lennon. Beijinho.
De Teresa a 4 de Fevereiro de 2008 às 23:19
Que exagero! :) Especialista?!
Apaixonada, isso sim!
Beijo.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds