Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2007

Destratado no Tratado


Pela segunda vez em pouco tempo, o pobre ministro Luis Amado (mal-amado, mais propriamente) ficou de mão estendida e ar triste, sem o bacalhau prometido. Agora foi na assinatura do Tratado de Lisboa, à porta do Mosteiro dos Jerónimos, talvez por culpa da confusão gerada pela gaffe protocolar do irrequieto "Sarkô".
É certo que já aprendeu a disfarçar a desfeita que sempre lhe toca, e, desta vez, um ligeiro aperto de... braço, livrou-o de maiores constrangimentos. Mas começo a ter pena dele, porque, se o ditado está certo, não há duas sem três.
Talvez esta pose - de braços firmemente cruzados - o salve da terceira humilhação.

publicado por Ana Vidal às 01:08
link do post
3 comentários:
De Mad a 14 de Dezembro de 2007 às 19:43
Eu vou ficar muito caladinha, mas tou cheínha de vontade de dizer uma data de coisas!!!
De Capitão-Mor a 14 de Dezembro de 2007 às 17:41
Deixa lá...salvou-se o passeio de eléctrico! Belo toque provinciano...
De Falinhas Mansas a 14 de Dezembro de 2007 às 09:52
Aposto que o Luis Desamado, na próxima, vai agarrar a mão com duas mãos (pensando para ele: ah meu sacana, agora não escapas) e dá-lhe um daqueles apertos de mão tipo garra, a baloiçar para cima e para baixo durante 5 minutos e a olhá-lo bem nos olhos. Aperto que valerá por todos os que ficaram no ar.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds