Domingo, 7 de Outubro de 2007

Um mundo perfeito


Acabei agora mesmo de chegar do Algarve, depois de dois dias no paraíso: um sol magnífico de despedida de Verão, uma casa de sonho, amigos maravilhosos e, last but not least, a inauguração de uma exposição de aguarelas de uma originalidade espantosa, num espaço superior que também é obrigatório conhecer - a Galeria São Lourenço. É um programa que recomendo a todos, uma visita a esta exposição da pintora Teresa Calem, artista de alto nível (e também uma anfitriã incomparável).

São caras (muitas delas de grandes dimensões), que nos olham directamente nos olhos, inquiridoras e inquietantes, numa espécie de despedida muda. O tema desta exposição é a figura da mitologia grega Daphne* - embora, a mim, estas figuras frágeis e etéreas sugiram muito mais o imaginário e o universo da mitologia celta - e a sua transformação de ser humano em árvore, no momento exacto em que tem consciência dessa metamorfose. É como um desfile de seres, ao mesmo tempo comuns e míticos, que nos anunciam um tempo futuro: um mundo povoado por uma humanidade muito mais perfeita e em comunhão com a natureza, como o foi já, nos primórdios. É uma despedida, mas também a promessa de uma nova era.

A pureza luminosa, a perfeição das formas e a excelência da técnica de Teresa Calem valem bem, garanto-vos, uma viagem ao Algarve. Estas aguarelas vão ficar expostas até ao final de Novembro, e o único risco de decepção é o de chegar lá e já estarem todas vendidas (grande parte delas foi vendida no dia da inauguração).
Por tanta beleza e tanto carinho num só fim de semana, obrigada, Teresa!
*Nota - Na mitologia grega, Daphne (do grego Δάφνη, que significa "loureiro") era uma ninfa, filha do rei Peneu. Apolo foi induzido a apaixonar-se por ela, por uma flecha de Eros. Mas este acertou em Daphne com uma flecha de chumbo, o que fez a ninfa rejeitar o amor de Apolo, que começou a persegui-la. Cansada de fugir, pediu ao pai que a livrasse daquela difícil situação. Ele, então, transformou-a em loureiro. Apolo, inconsolável, disse: "Se não podes ser a minha mulher, serás a minha árvore sagrada". A partir de então, o deus passou a trazer sempre consigo um ramo de louros.
publicado por Ana Vidal às 20:30
link do post
7 comentários:
De sem-se-ver a 9 de Outubro de 2007 às 11:40
olha! e eu aqui tão perto e não fazia ideia dessa exposiçao!

gratissima pela informação.
De African Queen a 9 de Outubro de 2007 às 11:14
Que lindos! Obrigada :)
De Mad a 8 de Outubro de 2007 às 17:46
Fantástica pincelada. Adoro aguarelas, mas conheço poucos aguarelistas bons, além do óbvio Ossião, que idolatro. Que tal uma aulazinha de aguarela comtemporânea para a irmã desterrada?
De ana vidal a 8 de Outubro de 2007 às 14:35
Já cá estão, AQ. Os desejos dos meus leitores são ordens! :)
E se puder vai lá, é uma exposição deslumbrante (além da própria galeria, que é linda).
Um beijo e boa semana também.
De African Queen a 8 de Outubro de 2007 às 10:21
Não conhecia a galeria nem a artista e fiquei com vontade de conhecer ambas :)... se bem que estou um bocadinho longe, mas nunca se sabe. Obrigada pela revelação Ana e gostava mesmo de ver mais trabalhos dela. Fiquei encantada com a amostra e com o tema. Boa semana!
De ana vidal a 8 de Outubro de 2007 às 00:11
Continua, igual ou melhor, Luis.
De Luis a 7 de Outubro de 2007 às 22:38
Nos idos anos oitenta essa galeria era um oásis por terras algarvias. É sempre uma delicia saber que o bom gosto e a iniciativa privada nunca deixaram São Lourenço.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds