Segunda-feira, 3 de Setembro de 2007

Mais do mesmo


Maria Elisa vestiu-se de alta toilette (seguir-se-ia uma festa em Buckingham?) para, do alto da autoridade que lhe conferiram meia dúzia de anos em Londres, conduzir um debate de reais banalidades sobre a realeza britânica. O mote é o estafado, esgotadíssimo assunto do momento (aliás, o assunto de todos os momentos desde há 10 anos, sempre que se quer fazer subir audiências nos media): a morte de Diana.
A conversa é a mesma de sempre: o mito, a traição, a beleza, a infelicidade, a incompreensão, a monarquia versus república. Mas o tema é tão consensual que a moderadora se sente na obrigação de lembrar a um dos participantes: "Olhe que pode discordar à vontade!...".
Os convidados aplicam-se, ainda tentam dizer alguma coisa interessante que ninguém tenha dito até hoje: missão impossível. Em 10 anos, tudo já foi dito.
Blá, blá, blá. Ridículo. Bocejo à terceira frase. À quarta, desisto. Fico a pensar no que fará Jorge Coelho naquele painel.
publicado por Ana Vidal às 23:21
link do post
5 comentários:
De Ana Vidal a 5 de Setembro de 2007 às 01:40
Foi impressionante sim, milord. As ondas de choque sentiram-se por todo o mundo, e o acontecimento serviu para lançar e relançar muitas discussões importantes. Mas passaram 10 anos, e já não há mais nada a discutir! É patético esquadrinhar possíveis gravidezes depois de todo este tempo, como se isso fosse importantíssimo para as nossas vidas...

beijo
ana
De Lord Broken Pottery a 4 de Setembro de 2007 às 20:55
Ana,
Cheguei em Londres pouco após a morte de Lady Di. Pude viver lá tudo o que o povo inglês sentiu. Foi impressionante. Não vou esquecer. Ainda no aeroporto dois minutos de silêncio. Flores nos portões do palácio de Buckingan, um tapete delas. Rádio, televisão, gente nas ruas, durante os vinte dias que lá estive não se falou de outra coisa. Lady Di. Dia e noite. Programas de todos os tipos, as mais variadas abordagens. Lady Di. Existem mortes que sangram no coração do povo. Aqui no Brasil, o mais próximo que vi, foi a morte de Ayrton Sena.
Grande beijo
De João Paulo Cardoso a 4 de Setembro de 2007 às 18:56
Aqui vai contra-corrente, para o bem e para o mal, dando o peito às balas e outros lugares-comuns:

Tal como demonstra elucidativamente as duas últimas imagens publicadas, a figura pública no post abaixo deste é uma "Grande Mulher", com M grande.

A outra é uma caricatura.
De ana vidal a 4 de Setembro de 2007 às 01:08
Ena, JG, que entusiasmo!
Fã incondicional, ou...?
De JG a 4 de Setembro de 2007 às 00:58
Ah grande Elisa. Assim é que é!!! Mostra a esta gente que não és nenhuma pindérica. Estou contigo sempre, para sempre e sempre que me queiras. E mai nada!

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds