Sábado, 19 de Janeiro de 2008

Regras para um bom português


1. Deve evitar ao máx. a utiliz. de abrev., etc.

2. É absolutamente desnecessário empregar um estilo de escrita demasiadamente rebuscado. Tal prática advém de esmero excessivo que raia o exibicionismo narcisistico.

3. Anule aliterações altamente abusivas.

4. não esqueça as maiúsculas no inicio das frases.

5. Fuja de lugares-comuns como o diabo foge da cruz.

6. O uso de parêntesis (mesmo quando for relevante) é desnecessário.

7. Estrangeirismos estão out, palavras de origem portuguesa estão in.

8. Evite o emprego de gíria, mesmo que pareça nice, tá fixe?

9. Palavras de baixo calão podem transformar o seu texto numa merda.

10. Nunca generalize: generalizar é um erro em todas as situações.

11. Evite repetir a mesma palavra, pois essa palavra vai ficar uma palavra repetitiva. A repetição da palavra vai fazer com que a palavra repetida desqualifique o texto onde a palavra se encontra repetida.

12. Não abuse das citações. Como costuma dizer um amigo meu: "Quem cita os outros não tem ideias próprias".

13. Frases incompletas podem causar

14. Não seja redundante, não é preciso dizer a mesma coisa de formas diferentes; isto é, basta mencionar cada argumento uma só vez, ou por outras palavras, não repita a mesma ideia várias vezes.

15. Seja mais ou menos especifico.
16. Frases com apenas uma palavra? Jamais!

17. A voz passiva deve ser evitada.

18. Utilize a pontuação correctamente o ponto e a virgula especialmente será que já ninguém sabe utilizar o ponto de interrogação

19. Quem precisa de perguntas retóricas?

20. Conforme recomenda a A.G.O.P, nunca use siglas desconhecidas.

21. Exagerar é cem milhões de vezes pior do que a moderação.

22. Evite mesóclises. Repita comigo: "mesóclises: evitá-las-ei!"

23. Analogias na escrita são tão úteis quanto chifres numa galinha.

24. Não abuse das exclamações! Nunca! O seu texto fica horrível!

25. Evite frases exageradamente longas, pois estas dificultam a compreensão da ideia nelas contida, e, por conterem mais que uma ideia central, o que nem sempre torna o seu conteúdo acessivel, forçam desta forma, o pobre leitor a separá-la nos seus diversos componentes, de forma a torná-las compreensíveis, o que não deveria ser, afinal de contas, parte do processo da leitura, hábito que devemos estimular através do uso de frases mais curtas.

26. Cuidado com a hortografia, para não estrupar a lingúa portuguêza.

27. Seja incisivo e coerente, ou não.

28. Não fique escrevendo no gerúndio. Você vai deixando seu texto pobre - causando ambiguidade - e esquisito, ficando com a sensação de que as coisas ainda estão acontecendo.

29. Outra barbaridade que você deve evitar é usar muitas expressões que acabem por denunciar a região onde tu moras, carago!

Nota: Texto recebido por e-mail, de um autor que desconheço.
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 20:24
link do post
24 comentários:
De av a 22 de Janeiro de 2008 às 17:56
Olá CS, obrigada pela achega.
Volte sempre.
De cs a 22 de Janeiro de 2008 às 17:36
divinal

passei ontem e esqueci de comentar
De av a 21 de Janeiro de 2008 às 17:17
mariav (já reparaste que a tua assinatura é quase "marialva"? LOL),

Não seja por isso, eu mando-te o texto por mail. Depois é só fazeres um copy/paste para o blog e já está. Boa?
De samuel a 21 de Janeiro de 2008 às 12:34
Muito bom.
De MariaV a 21 de Janeiro de 2008 às 09:35
Mais logo, com mais tempo, também vou tentar "roubar" este texto e pôr no meu recém-nascido Vou pelo Sonho. A tua sorte é que não sei se vou conseguir.
Inté
Rosarinho
De av a 21 de Janeiro de 2008 às 02:09
claro claro claro, ssv!
bjs
De sem-se-ver a 21 de Janeiro de 2008 às 02:05
eh pá vou roubar pró meu? posso posso posso??
De tcl a 21 de Janeiro de 2008 às 01:02
lindo! adorei! estou violando os números 16, 24 e 28! nice! (idem para 6 e 7)!
De av a 20 de Janeiro de 2008 às 23:33
Ok, Júlia, obrigada.
Também devo ter o endereço dele por aí, provavelmente nos arquivos do meu livro. Queria escrever ao Aníbal para pedir-lhe que me dê notícias de outro amigo comum, de quem não sei nada há muito tempo. Se encontrar primeiro o endereço mande-me, está bem? E o texto também, porque esse não conheço.
Um beijinho e obrigada
De JuliaML a 20 de Janeiro de 2008 às 23:15
eu sabia a fonte desse texto,Ana,mas já não lembro.sei que rolou há uns anos na net e era proveniente de um site que tinha textos sobre o tema bons.
A tal ponto, que acabou por fazer parte de um livro "Como escrever bem" que tenho algures na minha estante.
Sobre o Anibal, já há uns 3 anos que não nos escrevemos , mas tenho armazenado o texto e o mail. sei que era "abecca@....qualquer coisa.
peço-lhe temp opara procurar.

beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds