Segunda-feira, 3 de Março de 2008

Maria Gabriela Llansol 1931-2008


De mim, direi que fui uma vez enviado, trouxeste a frase que nunca antes leras, o meu corpo a disse, e não reparaste que ficaste com ela escrita.


(Maria Gabriela Llansol - Lisboaleipzig 2)

Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 21:32
link do post
6 comentários:
De av a 8 de Março de 2008 às 01:41
Difícil, sim, JG. A mim não me entusiasmou, confesso.
Um beijo
De JG a 5 de Março de 2008 às 01:47
De MGL só li Amigo e Amiga, a sua última obra, que andou em destaque por ter sido prémio da APE e porque o vi na loja da Assirio e Alvim.
Talvez agora (é sempre assim), com a morte dela, apareçam por aí nos escaparates algumas das suas muitas obras, quase desconhecidas para a maioria das pessoas.
Da sua leitura ficou-me a ideia de uma mulher com um domínio da nossa língua fascinante, de uma narrativa difícil mas empolgante. Do que li dela, soube-me a pouco.
De av a 4 de Março de 2008 às 19:36
Confesso que conhecia muito pouco da obra de MGL. Mas acho que tens razão, Miguel, a morte de um autor desperta-nos sempre a curiosidade.

Obrigada pela dica, Paulo.
De O Réprobo a 4 de Março de 2008 às 19:10
Era uma escrtora de qualidade, mas com opções que não amo, nomeadamente a omnipresença interior escravizando o fio narrativo.
Há uma selecção de textos com entrevista interessante publicados em volume pela editora TFM de Frankfurt (bilingue).
Beijinho
De miguel a 4 de Março de 2008 às 13:37
Foi preciso que morresse Maria Gabriela Llansol para que eu ficasse a saber que a escrita dela é hermética e difícil.Foi preciso que ela morresse para eu saber que ela morou na Domingos Sequeira, bem perto do meu cantinho natal. Foi preciso que ela morresse para que eu lê-se críticas da sua obra e vi-se livros dela. Foi preciso que ela morresse para eu ter curiosidade em lê-la. Será que a morte nos aproxima do outro?
De JuliaML a 4 de Março de 2008 às 10:11
sempre gostei dos textos dela.Lembro o 1º livro que li "um beijo dado mais tarde"
Trouxe algo de nova à escrita.

Tenho contudo traduções de Eluard feitas por ela que não gostei nada.

Ontem estava para postar um texto dela,não porque tenha morrido,mas pq realmente me apetecia, mas outros valores se "alevantaram."

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds