Segunda-feira, 25 de Junho de 2007

Ericeira


 
A tua Ericeira teve o condão de lembrar-me a minha (não muito diferente): a casa encostada ao Parque de Sta Marta, onde assisti embasbacada ao primeiro passo do Homem na Lua; o Café do Xico, onde se cozinhavam os namoros de cada Verão; o ringue de patinagem no Parque de Sta Marta, onde exibíamos equilíbrios e piruetas para impressionar os possíveis candidatos, ao som do Calhambeque de Roberto Carlos; o Cinema do meu primeiro filme, "Sete noivas para sete irmãos" (!); os bolinhos de coco da Pinta, comidos quentes e em quantidades tais que enjoei o coco até hoje; o Ouriço, onde dei o meu primeiro beijo; a travessia a nado da praia grande para a praia do sul, que o meu pai fazia e nos arrepiava (os banheiros deixavam-no fazer a proeza, só a ele, porque o sabiam um nadador prodigioso); o Jogo da Bola depois da praia, onde combinávamos programas tão inocentes como nós; os passeios com os amigos até às Furnas, antes de jantar, com um frio de quase Inverno e um cheirinho a maresia incomparável... e tantas, tantas outras coisas mais, lembranças de tempos felizes.
Obrigada por me teres trazido à memória essa Ericeira perdida, onde só voltei há 2 ou 3 anos por insondáveis razões. Apesar de tudo, a essência da "nossa" Ericeira ainda lá está. Betão à parte, ainda encontrei a sua magia quase intacta.
Nota 1: Resposta à pergunta de Leonor Barros (Geração Rasca, 21 de Junho) - "E a tua Ericeira, como é?"
Nota 2: A "minha praia" de sempre não foi a Ericeira, mas o Baleal. Hei-de falar nele aqui também. Acontece que, por circunstâncias que agora não interessa referir, passei na Ericeira alguns Verões fulcrais da minha adolescência, como se pode perceber pelas recordações que tenho dessa praia maravilhosa. E no meu coração cabem vários lugares.

 
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 03:06
link do post
6 comentários:
De av a 25 de Junho de 2007 às 17:02
Concordo, JP: com as devidas distâncias, que os seus postais têm mais graça.
bjs
De João Paulo Cardoso a 25 de Junho de 2007 às 16:53
Isto fez-me lembrar, com as devidas distâncias, inclusive as geográficas, os meus "Postais Caramelos"...

Beijos.
De av a 25 de Junho de 2007 às 16:39
É verdade, miúda: faltam-te uns aninhos... ou sobram-me a mim!
bjs
De Mad a 25 de Junho de 2007 às 14:01
Eu lembro-me é das comezainas que, já depois de adulta, fiz lá!!!

Pois é, ao contrário de vocês, manas velhas, a minha "praia" é só o Baleal. E um cheirinho de Sezimbra!
De av a 25 de Junho de 2007 às 12:39
Também eu, Leonor. E foi muito bom lembrar esses tempos.
De Leonor Barros a 25 de Junho de 2007 às 12:31
Fico contente pelas nossas Ericeiras :-)

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds