Quarta-feira, 11 de Julho de 2007

Cais sem Colunas


Alguém me explica onde foram parar as históricas, maravilhosas colunas de pedra do Cais das Colunas?
É que, com as eternas obras do metropolitano afogado do Terreiro do Paço, muitos lisboetas já se devem ter esquecido da existência delas. E parece-me que a ideia é mesmo essa.
Eu não me esqueci, e quero-as de volta. Mas as originais - que contam tanto da história da cidade como se Lisboa escrevesse um livro de memórias - e não duas cópias baratas, feitas à pressa para disfarçar o desaparecimento.
Tudo acontece neste país de brandos costumes, tão brandos que os responsáveis por este tipo de estranhos acontecimentos nunca são chamados à pedra. Que tristeza.
Nota: Fotografia de Annie Assouline
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 02:07
link do post
4 comentários:
De av a 23 de Dezembro de 2007 às 01:23
Pedro, a mim disseram-me (a fonte é de fiar) que as verdadeiras colunas tinham "desaparecido" e iam ser substituídas por outras, para não dar muito nas vistas. Não me admirava, depois de tanto tempo num armazém, que alguém as levasse para fazer um portão de quinta, por exemplo. Infelizmente, essas coisas acontecem por cá com uma frequência inquietante.
Mas vamos ter fé que são as mesmas.
De Pedro Aniceto a 23 de Dezembro de 2007 às 01:13
As colunas, desmontadas, estão armazenadas nas instalações do Metro de Lisboa. Durante 2008 serão recolocadas e feito o arranjo da escadaria. Penso, pelo que sei, que será a mesma equipa que fez o brilhante trabalho de reconstrução do Arco que esteve anos desmontado na Praça de Espanha.
De av a 11 de Julho de 2007 às 18:44
perfeitamente! neste caso, parece-me mais que tenha sido um passarão...
De Lord Broken Pottery a 11 de Julho de 2007 às 16:25
Ana,
Será que algum passarinho comeu as pedras. Temos aqui no Brasil um ditado: passarinho que come pedra, sabe o ... que tem. Acho que serve ao caso.
Beijo

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds