Sábado, 29 de Março de 2008

Fasquias

A vida está cheia de estranhas coincidências. Que nos dão, se quisermos estar atentos, preciosas lições.
No mesmo dia aconteceu-me ouvir, de pessoas e em circunstâncias completamente diferentes, a mesma expressão para classificar-me: uma fasquia alta. Mas as reacções que este indubitável elogio produziu em mim foram, também, totalmente diferentes das duas vezes: numa delas senti-me recompensada pelo grau de exigência que procuro impor a mim própria, e estimulada para continuar a mantê-lo; na outra, pelo contrário, tudo o que desejei foi ser o oposto - uma fasquia bem mais baixa, dessas que qualquer atleta vence, sem medo do insucesso.
E assim constatei, uma vez mais, como tudo é relativo nesta vida.
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 02:42
link do post
10 comentários:
De av a 30 de Março de 2008 às 23:45
Eu sou das que a vê sempre meio cheia, Pedro. E não me tenho dado mal com esta visão da garrafa, felizmente. De uma maneira ou de outra, com boa vontade o que lá está dentro acaba sempre por chegar para todos os convidados.
Outro para ti
De PSB a 30 de Março de 2008 às 23:14
Ana
É a velha questão da garrafa que, estando a meio, ainda está meio cheia para o optimista e já meio vazia para o pessimista (ou para o dono da garrafa...).
Um beijo
De av a 30 de Março de 2008 às 12:43
Musqueteira, adopto essa ideia: navegar sempre, até um horizonte que nos diga que valeu a pena vencer o medo. Porque há sempre medo, claro. Mas o que interessa é que a vontade de navegar seja mais forte do que ele.
Um beijinho
De musqueteira a 30 de Março de 2008 às 10:24
relativamente ao CD- parabéns! já o tenho.oiço-o agora!...
...rodopiar as fasquias nas suas diversas latidudes é fácil. mas, não há medo que vença a força para agarrar o leme na navegação... e navegar... sempre em frente... até a um horizonte qualquer... até onde nossos Olhos digam que vale a pena continuar -mar abaixo mar acima- a navegar a vida assim!
...assim. sempre assim. sem medo.
De av a 29 de Março de 2008 às 21:46
Querido Paulo, longe de mim (longíssimo, acredite) dar a entender que pertenço a algum Olimpo e que gostaria de descer ao nível dos simples mortais! Nada disso: acontece que, às vezes, é a desproporcionada ideia que outros têm de nós (e não aquilo que somos na realidade) que nos veda o acesso a uma qualquer aspiração perfeitamente comum. Tão comum como nós, afinal.
E quanto ao seu perfil eclesiástico... nah, também não vou nessa. O seu amigo Alferes tinha toda a razão, e nem sequer ainda tinha visto a Fabiana!
Um beijinho
De O Réprobo a 29 de Março de 2008 às 21:25
Querida Ana,
por vezes os Distinguidos com o Dom gostariam de estar ao alcance dos simples mortais, o que Os eleva mais ainda.
Sem essas Alturas, permita-me contar-Lhe uma história que corrobora o juízo sobre a relatividade:
estando eu na tropa, duas pessoas, no mesmo dia, me qualificaram com a mesma palavra, visando sentidos completamente diferentes.
Um dos soldados, a que eu, com um recurso meramente burocrático, conseguira livrar da situação de refractário, achava-se muito devedor e alimentava um culto que o fazia gozado pelos camaradas. Estando eu a debitar disparates sobre um qualquer tema, extasiado, aproximou-se de mim e disse "o Meu aspirante tinha jeito para Padre, não acha?".
No mesmo dia, passeando com um Alferes companheiro de noitadas, passámos junto do Seminário e louvei as instalações, dizendo que até estava tentado a trocar. Resposta: "estás maluco, Porto, a última coisa em que te via era em Padre!".
E tenho a certeza de que ambos me pretendiam fazer um elogio...
Beijinho
De Anónimo a 29 de Março de 2008 às 19:30
muito boa, essa do kantigas!
De av a 29 de Março de 2008 às 15:02
Cristina,
É isso mesmo: às vezes está em nós, e na forma como vemos ou ouvimos as coisas em cada momento, que está toda a diferença.

Fugidia,
Esse filme é, todo ele, uma lição de vida. Lembro-me muito bem dessa cena, que tão bem ilustra o relativismo das coisas. E não creio que isto sejam Kantigas!...
;)

beijos às duas
De fugidia a 29 de Março de 2008 às 14:24
Tudo é mesmo relativo: a mesma realidade, vista de perspectivas diferentes é ela própria diferente (foi com o filme "O clube dos poetas mortos", em que o professor sugere aos alunos que observem a sala com pés no chão e com os pés na secretária, que percebi isso claramente - fazendo o mesmo).
Um beijinho :-)
De cristina ribeiro a 29 de Março de 2008 às 12:04
Que verdadeiro.
Por vezes basta uma mínima inflexão, que cuidamos descortinar na voz, para sentirmos uma mesma coisa de forma muito diversa; doutras vezes é o nosso estado de espírito que nos comanda...
Beijinho

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds