Quarta-feira, 12 de Setembro de 2007

No problem!


Exemplar, a atitude do Dalai Lama quanto ao facto de não ser alvo de uma recepção oficial. Como era de se esperar.
Desvalorizou em absoluto uma falha imperdoável - na minha opinião e na de muitos - do governo português, e as suas labirínticas razões para ignorar olimpicamente a visita de um líder espiritual desta envergadura, tão bem explicadas ao país por Luís Amado: "Por motivos óbvios, conhecidos de todos" (??)
Com um sorriso simpático e a habitual simplicidade que o caracteriza (e muita gente confunde, erradamente, com ingenuidade ou mesmo infantilidade) foi dizendo algumas verdades incómodas aos microfones da SIC: que o que o move é a paz e a harmonia entre os povos, e não as honrarias de um reconhecimento oficial nos países por onde passa; que os governos raramente fazem o que deviam quanto aos nobres objectivos humanitários com que ganham eleições; que a última coisa que quer é causar embaraços aos governantes, e que está habituado a estes constrangimentos políticos (o respeitinho à China é muito bonito, nada de provocar a potência que já está a dominar o mundo...).
Enfim, o Dalai Lama deu a todos nós uma lição em todas as frentes, própria de um homem inteligente e sábio que mereceu, por alguma razão!, a atribuição de um Nobel da Paz. E ainda demonstrou ter sentido de humor, ao afirmar que o tinham convidado e pago o bilhete, que era o mais importante.
No problem!, disse ele, sorridente, e percebe-se nessa simples declaração como este homem está acima das menoridades humanas.
Etiquetas: ,
publicado por Ana Vidal às 17:22
link do post
9 comentários:
De ana vidal a 13 de Setembro de 2007 às 00:38
Mário "inflamado",

Não é só por aquilo que representa, é por ser absolutamente inatacável. Desarmante, como já disse. Ninguém o verga, mas tem sempre um sorriso simpático mesmo para quem o provoca ou o tenta humilhar. Essa superioridade é que é a maior arma dele, porque faz os seus opositores sentirem-se mesquinhos.

Não te metas com o Manel Longa Data, que estava só a ser cavalheiro comigo...

beijo aos dois
De Mario Cordeiro a 13 de Setembro de 2007 às 00:25
O Dalai Lama causa engulhos a muita gente. É incómodo porque representa, simbolicamente, todos os explorados e ofendidos pelos poderes.
É por isso que tem este carisma e o merece.

Manel. Podes fazer copy-paste do que escrevo a seguir:
"Mário. Que inflamado. Falaste abaixo do Dalai Lama e afinal ele veio aqui parar. És um revolucionário de esquerda com laivos de direita. Não sejas inflamado que as causas, como a liberdade, a opressão e a injustiça não merecem inflamação. Apenas infecção...
MT, Amigo do vento de longa data"
De RAA a 12 de Setembro de 2007 às 22:14
Apoiado!
De ana vidal a 12 de Setembro de 2007 às 19:28
É mesmo, Samuel. É completamente desarmante, e vai dizendo tudo o que acha importante.
De samuel a 12 de Setembro de 2007 às 19:23
O Dalai Lama fica com aquele ar que o define, pacífico, culto, simples e bem humorado, mas deve ter as mãos a arder...
Algumas das suas declarações são verdadeiramente grandes estalos na cara dos "corajosos dirigentes que temos".
De ana vidal a 12 de Setembro de 2007 às 19:21
Falou e disse, Pepê!! Não tenho mais nada a acrescentar.

beijos
De pedro sanchez a 12 de Setembro de 2007 às 18:58
É verdade Portugal como sempre, nestas coisas da diplomacia Internacional e em tantas outras, tem sempre demonstrado pequenês, contrariamente ao grande povo que somos.

É pena muita pena que nos tenhamos que sujeitar às pressões externas em vez de nos guiar-mos pelos princípios de condutas mais condizentes com Humanismo e Espiritualidade, que este Santo Homem vem apreguando ao Mundo.

Esqueceu-se o Mundo que o que aconteceu no Tibete foi uma ocupação territorial tal como a que aconteceu com Timor.

Estamos mais preocupados em receber Robert Mugabe, para a cimeira UE, União Africana, querendo forçar os Ingleses, que tambem não são flor que se cheire, mas que neste caso tem carradas de razão para não quererem sentar-se à mesa com esse senhor.

Mas infelizmente é assim e por isso a Democracia, tal como dizia Churchil é uma merda mas que não existia nada melhor, está como está em plena queda de nações que são as nossas. É a queda do império ocidental tal como o conhecemos, e ou se dá uma mudança de sistema e acima de tudo de líderes, ou não sei para onde caminhamos.

Beijos, pp.
De ana vidal a 12 de Setembro de 2007 às 18:41
Grande verdade, Lord. Pena é que queiram tão poucos.

beijão
De Lord Broken Pottery a 12 de Setembro de 2007 às 18:25
Ana,
Não existe problema em ser doce, inteligente e bem humorado. O Dalai, de mansinho, ensina quem quer aprender, os poucos.
Grande beijo

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

favoritos

O triunfo dos porcos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil


ver perfil

. 16 seguidores

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds