Sexta-feira, 31 de Agosto de 2007

10 anos


Faz hoje dez anos que morreu Diana de Gales. Mas ainda não se esgotou o filão: num documentário que vi há pouco na TV, os directores de um famoso tablóide inglês gabavam-se de que a morte da princesa tinha sido o seu melhor negócio de sempre. E diziam deliciados, sorrindo maliciosamente para o entrevistador: "Ainda hoje, passados todos estes anos, uma capa com Diana vende sempre bem, é garantido. Claro que não vamos deixar de falar dela enquanto isso acontecer, e parece-me que vai acontecer ainda por muitos anos mais. Há sempre alguém que não deixa morrer o assunto, e nós cá estamos para dar a notícia. Veja, por exemplo, a história da gravidez. De quem era a criança? Quer melhor bomba?"
É triste o que fazemos da nossa curiosidade, que poderia ser canalizada para descobertas tão mais interessantes. E tão mais produtivas. E tão mais úteis aos vivos.
Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 23:45
link do post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds