Quarta-feira, 1 de Agosto de 2007

Enzima da amizade

Este post é uma gracinha especial para a minha amiga Regine Limaverde, cientista e poeta do Brasil, que me escreveu agora mesmo da Suécia. E que vem a Portugal de passagem, por um dia só, antes de voltar para casa.
Cá te espero, querida. Tudo a postos para te receber: até uma passadeira vermelha já encomendei, de Lisboa ao Estoril...
Enzima

Existe uma enzima
dentro de mim.
Sendo enzima
quebra e constrói
e sua ausência
em meu peito dói.

A baixo pH
poderá se desnaturar
não quero que isto
aconteça.
Nesse sentido
hei de trabalhar.

Minha enzima
me enche de poesia.
Tece laços energéticos,
ataca pontos estratégicos,
me ilumina, me fermenta.
Com ela eu rio,
de tristezas esqueço.
Sinto que vôo, cresço.

Ela não requer
energia de ativação,
o meu coração basta
para iniciar a reação.

Não tem porção metálica.
Não precisa de cofator.
Ela foi feita sob medida
à base de muito amor.

É eterna, não se acaba,
é única
e é rara.
E me é muito cara.

É. Existe uma enzima
dentro de mim
e eu amo
essa enzima.

(Regine Limaverde)

PS: Gostou da surpresa, amiga?
Etiquetas: , ,
publicado por Ana Vidal às 00:13
link do post
5 comentários:
De ana vidal a 1 de Agosto de 2007 às 23:08
é mesmo, e a poeta também.
De RAA a 1 de Agosto de 2007 às 19:18
O poema é adorável.
De Ana Vidal a 1 de Agosto de 2007 às 13:24
o comentário anterior é meu.
ana
De Anónimo a 1 de Agosto de 2007 às 13:23
Ah, voltámos ao normal!!
Baixou o nível das hormonas, subiu o do humor. Assim está melhor... :)
De João Paulo Cardoso a 1 de Agosto de 2007 às 10:34
Além de talentosa, parece uma amiga com tudo "enzima"!!

Humor tipo Fernando Mendes.
Susceptível de provocar lesões crebrais.

Beijos.

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds