Quinta-feira, 23 de Agosto de 2007

O estranho mundo dos Pimbas

Via Corta-Fitas, descobri esta pérola do YouTube.

A Débora Silvana (!), filha do consagrado pimba Nel Monteiro, é uma criatura transgénica: tem 18 anos mas parece ter 5, usa extensões e nuances nos cabelos que lhe chegam aos joelhos, adora pulseiras "de mulher", "faz coreografias" e quer ser cantora quando for grande (mas ela já tem 18 anos, está à espera de quê?).
É pena que tenha esse sonho, porque é de uma desafinação confrangedora. Sai ao pai. Mas se a profecia se cumprir, aos 81 ainda a teremos por cá, sobre um palco. Valha-nos Deus.
Verdes eufémios, onde andam vocês? Não querem fazer-nos a caridade de acabar com esta desgraça?

Etiquetas:
publicado por Ana Vidal às 10:39
link do post
3 comentários:
De Tatiana a 23 de Agosto de 2007 às 16:26
Ana
que bom receber vc lá!
Poxa, me mostre as coisas que vc escreveu. eu adoro aprcerias.
vambora!
De ana vidal a 23 de Agosto de 2007 às 15:35
Não, a criancinha não tem culpa, é verdade. Mas vai fazer exactamente o mesmo, quando chegar a vez dela. E isto nunca mais terá fim. Não faz mal nenhum ouvirmos estas baboseiras e brincarmos com elas, se as soubermos distinguir daquilo que é MÚSICA. O pior é que misturamos tudo por falta de uma cultura musical (por mínima que seja). E, sendo assim, os pimbas não são inócuos.
E já nem falo do pior de tudo: estes pobres macaquinhos amestrados que os pais exploram indecentemente e se julgam grandes artistas. Nem sequer chegam a ser crianças...
De Nelinho a 23 de Agosto de 2007 às 15:25
Você é mesmo bera! A criancinha, coitada, não tem culpa. Nem dos pais que os avós deram ao mundo. Nem da cara com que os pais a brindaram (vistas bem as coisas, a voz é o menos). Nem da entrevistadora inteligente que lhe saiu em rifa. Nem, last but not the least, da malta que come estes programas e compra os discos do papá na Feira do Relógio ou no Pavilhão Atlântico. Dum certo país que temos, em suma. Ou tem?

Comentar post

brisas, nortadas e furacões, por


Ana Vidal
Pedro Silveira Botelho
Manuel Fragoso de Almeida
Marie Tourvel
Rita Ferro
João Paulo Cardoso
Luísa
João de Bragança

palavras ao vento


portadovento@sapo.pt

aragens


“Não sabendo que era impossível, foi lá e fez."

(Jean Cocteau)

portas da casa


Violinos no Telhado
Pastéis de Nada
As Letras da Sopa
O Eldorado
Nocturno
Delito de Opinião
Adeus, até ao meu regresso

Ventos recentes

Até sempre

Expresso do Oriente (3)

Expresso do Oriente (2)

Expresso do Oriente (1)

Vou ali...

Adivinhe quem foi jantar?

Intervalo

Semibreves

Pocket Classic (A Educaçã...

Coentros e rabanetes

Adivinhe quem vem jantar?

Moleskine

Lapsus Linguae

Semibreves

Sou sincera

Rosa dos Ventos

Livros



Seda e Aço


A Poesia é para comer


Gente do Sul

E tudo o vento levou

Perfil

Technorati Profile

Add to Technorati Favorites

Ventos do mundo

Ventos de Passagem


visitantes online

Subscrever feeds